Sana, 11 mar (EFE).- Pelo menos duas pessoas morreram e outras seis ficaram feridas em confrontos entre policiais e manifestantes independentistas do sul do Iêmen, que saíram às ruas em várias cidades para denunciar a política do Governo.

Os choques aconteceram na localidade de Lahye, onde morreu uma pessoa e quatro ficaram feridas, e em Dalea, onde outro manifestante morreu e mais dois foram feridos, informaram à Efe fontes da oposição.

Além disso, aconteceram manifestações em Abyan, Taz e Sana, onde partidos da oposição realizaram concentrações em solidariedade com o movimento do sul para criticar a política do Governo.

Em Sana, cerca de 5 mil opositores se reuniram em um estádio de futebol para mostrar rejeição às políticas do presidente Ali Abdala Saleh.

Seguidores do "Hizb al Islahi al Islami" (Partido Reformista Islâmico) e do "Hizb al Ishtiraki" (Partido Socialista) - as duas principais forças da oposição -, assim como de outros grupos, condenaram em meio a grandes medidas de segurança a corrupção do regime iemenita e mostraram seu apoio às reivindicações dos separatistas do sul.

Os partidos da oposição, embora não apoiem a independência do sul, defendem suas exigências de um tratamento mais igualitário.

Os novos protestos acontecem três dias depois que o presidente Abdala Saleh chamou os separatistas do sul para manterem um diálogo com o Estado e abandonarem a violência.

"Dizemos (aos separatistas): venham falar com vossos irmãos no poder, vamos dialogar com vocês. Estendemos as mãos para o diálogo, longe do uso da violência, do assassinato e do levantamento da bandeira da separação", afirmou Saleh durante discurso em um quartel militar.

Na semana passada, a cidade de Dalea foi palco de várias batidas policiais e da detenção de cerca de 20 de separatistas.

As manifestações na região a favor da separação do antigo Iêmen do Sul, que voltou a se unir ao norte em 1990, são frequentes. EFE ja-jfu/fm

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.