Um major do Exército dos Estados Unidos abriu fogo contra soldados na base militar de Fort Hood, no Estado do Texas, matando 13 pessoas e deixando mais de 30 feridas.

O comandante da base, o general Bob Cone, disse que o major - identificado como Nidal Malik Hasan - usou duas armas no tiroteio.

Relatos iniciais sugeriam que ele havia sido morto pela polícia, mas o general afirmou, durante uma entrevista coletiva, que Hasan estaria vivo e em condição estável.

Outros dois suspeitos foram presos, mas a polícia acredita que apenas um atirador tenha sido responsável pelo incidente.

AP

General Robert Cone fala em coletiva de imprensa sobre tiroteio em base militar

Entre os mortos estaria um policial e os demais seriam soldados da base - uma das maiores instalações militares do mundo.

Fort Hood, próxima da cidade de Killeen, abriga cerca de 40 mil soldados.

Segundo autoridades americanas, Hasan era um psiquiatra militar com idade entre 30 e 40 anos. Ele estava prestes a ser enviado para uma missão no Iraque.

Em uma coletiva de imprensa em Washington, o presidente dos EUA, Barack Obama, classificou o tiroteio como uma "grande explosão de violência" e prometeu uma investigação completa sobre o incidente.

Segundo o presidente, é uma tragédia quando soldados americanos morrem no exterior, mas é ainda mais horrível quando eles são atingidos em uma base militar em solo americano.


Militar ampara parente de vítima em base no Texas / AP

O correspondente da BBC em Washington Adam Brookes disse que o ocorrido mobilizou membros da Swat, a unidade especial da polícia americana, além de outros agentes policiais. Escolas na região foram fechadas.

Leia mais sobre: ataques

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.