Pelo Granma, Fidel manda recado a Bush e McCain

HAVANA (Reuters) - O líder cubano Fidel Castro publicou na sexta-feira no jornal Granma um artigo em que exalta o sistema educacional da ilha e ataca o candidato republicano à Presidência dos EUA, John McCain, e o atual ocupante da Casa Branca, George W. Bush. Na terça-feira, McCain criticou seu rival democrata Barack Obama por querer atenuar o embargo a Cuba e aceitar se reunir com o presidente da ilha, Raúl Castro, irmão de Fidel. É preciso impedir que Venezuela e Bolívia sigam o exemplo de Cuba, disse McCain na Flórida.

Reuters |

'Um dilúvio de discursos e mentiras se enfileiram contra Cuba', escreveu Fidel, citando várias declarações do candidato republicano. 'McCain em seu livro 'A Fé dos Meus Pais' confessou que estava entre os cinco últimos alunos do seu curso (na academia militar) de West Point. Está demonstrando isso', afirmou o ex-dirigente máximo de Cuba (1959-2008).

Fidel também ironizou a decisão do governo Bush de permitir que imigrantes cubanos enviem telefones celulares a seus parentes na ilha, aproveitando que Raúl liberou a venda desses aparelhos em Cuba, em abril.

'Do cerco de fome e bloqueio que dura décadas nem se fala', disse Fidel no artigo. 'As grosseiras mentiras de McCain e de Bush constituem o único caminho para não obter absolutamente nada do povo heróico que soube resistir ao poder do império durante quase meio século', acrescenta ele.

No mesmo artigo, Fidel cita uma pesquisa da empresa norte-americana Gallup sobre a educação do mundo. Cuba lidera nos quesitos respeito, oportunidades e acesso ao ensino.

Desde que se afastou do poder por razões de saúde, em 2006, Fidel costuma usar artigos no Granma, órgão oficial do Partido Comunista Cubano, para expor suas idéias.

A partir de fevereiro, quando entregou formalmente o governo a Raúl, esses textos saem sob a rubrica 'Reflexões do Companheiro Fidel'.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG