Pela primeira vez, uma mulher intocável, a menor casta social na Índia, foi eleita para presidir o Parlamento do país.

Meira Kumar, de 64 anos, que era a única candidata, foi designada pela nova Câmara Baixa do Parlamento, a Assembleia do Povo, que tomou posse após as eleições legislativas de abril e maio, que tiveram a vitória do Partido do Congresso do primeiro-ministro Manmohan Singh.

Membro da comunidade dos "dalits" ("oprimidos"), Kumar foi deputada cinco vezes. Ela é uma diplomata de carreira que entrou para a política em 1985.

Nas legislativas que aconteceram de 16 de abril a 13 de maio, foi reeleita por sua circunscrição do estado pobre de Bihar, leste do país.

Após a eleição para a presidência do Parlamento, Kumar saudou o "momento histórico" para a Índia e para ela.

A Índia, considerada "a maior democracia do mundo", já teve um presidente "intocável", K.R Narayanan, e o estado de maior população, Uttar Pradesh, é governado pela líder do Bahujan Samaj Party (BSP, Partido da Sociedade Dalit), Mayawati Kumari, que sonha com o cargo de primeira-ministra.

Os indianos "dalits", considerados cidadãos sem casta ou da menor casta social, são 165 milhões de pessoas dos 1,17 bilhão de habitantes da Índia. Eles têm dificuldades para conseguir trabalho, casa e de acesso à educação.

Apesar da lei proibir a discriminação por casta, os atos de violência e abusos são frequentes contra os hindus de castas inferiores.

A Constituição indiana de 1950 aboliu o caráter de "intocável", mas a ONU advertiu em 2007 que de fato a segregação prossegue no país.

er/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.