BOGOTÁ, Colômbia (Reuters) - A Colômbia extraditou para os Estado Unidos, na quarta-feira, Carlos Macaco Jimenez, fazendo dessa a primeira vez em que o país latino-americano enviou à Justiça norte-americana um ex-chefe de grupo paramilitar de direita acusado de narcotráfico. A manobra, apesar de bem recebida por grupos de defesa dos direitos humanos, pode aumentar a tensão com outros ex-chefes dos paramilitares que estão presos na Colômbia e que continuam sendo acusados de ainda comandar redes de criminosos.

As milícias de extrema direita, formadas na década de 80 para enfrentar rebeldes de esquerda, foram desmobilizadas nos últimos quatro anos por meio de um acordo de paz no qual aceitaram depor suas armas em troca de benefícios, entre os quais o de não serem extraditados.

O governo colombiano, no entanto, acusou Jimenez de não acatar os termos do acordo de paz ao continuar, desde sua cela na prisão, ordenando a realização de atos criminosos.

(Reportagem de Hugh Bronstein)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.