Genebra, 17 out (EFE).- As solicitações de asilo em um grupo de 44 países industrializados aumentaram 3% no primeiro semestre do ano em relação ao mesmo período de 2007 e os iraquianos foram o grupo mais numeroso a buscar proteção, segundo dados divulgados hoje pela Organização das Nações Unidas (ONU).

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (Acnur) precisou que os cidadãos iraquianos apresentaram 19.500 demandas -de um total de 165.100 registradas nas 44 nações consideradas na estatística-, representando 12% do total mundial.

No entanto, o organismo ressaltou que o número de solicitações iraquianas caiu 18% no primeiro semestre de 2008 em relação aos seis meses anteriores e 10%, comparado com o primeiro semestre do ano passado.

O segundo maior grupo foi de russos, com 9.400 demandas, seguidos de chineses (8.600), somalis (7.400), paquistaneses (6.300), afegãos (6.300), sérvios (6.200), mexicanos (5.200), nigerianos (4.800), e iranianos e cingaleses (4.600 em cada caso).

Neste grupo de países, os que mais aumentaram foram os pedidos de asilo de somalis (30%), o que reflete a deterioração da situação humanitária nesse país, indicou Acnur.

Os Estados Unidos continuaram sendo o maior receptor de pedidos de asilo de todas as nacionalidades, com 25.400 solicitações, o que representa 14% do total mundial.

O Canadá ficou em segundo lugar, com 16.800 solicitações.

Sem que cheguem a estar nos primeiros lugares das nacionalidades que pedem proteção, o Acnur precisou que notou um forte aumento de pedidos de asilo de cidadãos de Mali, Zimbábue, Mianmar, Afeganistão, Sri Lanka, Costa do Marfim, Geórgia e República Democrática do Congo. EFE is/jp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.