PE pede que Estados-membros recebam presos de Guantánamo

Estrasburgo (França), 4 fev (EFE).- O Parlamento Europeu (PE) pediu hoje oficialmente aos Governos da União Europeia (UE) que cooperem com a administração de Barack Obama no fechamento da prisão de Guantánamo e que estejam preparados para aceitar detentos que sejam libertados se Washington pedir.

EFE |

Os eurodeputados aprovaram por grande maioria uma resolução combinada pelos principais grupos do plenário na qual se mostram claramente a favor de acolher na Europa aqueles prisioneiros que não sejam levados a julgamento, mas cuja vida correria perigo se retornarem aos seus países de origem.

Para a Eurocâmara, a prioridade deve ser oferecer um "tratamento justo e humano" para todas essas pessoas e cooperar para reforçar a legalidade internacional.

A mensagem do PE chega algo mais de uma semana depois que os ministros de Exteriores da UE se comprometeram a atuar de forma coordenada neste assunto e começaram a analisar as fórmulas legais sob as quais poderiam receber os cerca de 40 presos que, segundo as ONGs, que trabalham com eles, gostariam de se reassentar na Europa, uma vez que fosse libertados.

Por enquanto há certa divisão entre os 27 Estados-membros, com países como a Holanda e Áustria contra a ideia de dar asilo aos internos, e outros como Espanha, França, Reino Unido, Portugal e Suécia se mostrando dispostos a fazê-lo.

Embora a decisão final caiba a cada Governo, o fato de que os cidadãos possam movimentar-se livremente dentro da UE levou aos países a entender que é necessário acertar a atuação de todos.

Para o Parlamento, e apesar da chamada que faz à Europa, a "responsabilidade principal no processo de fechamento do centro de reclusão da baía de Guantánamo e no futuro dos reclusos continua sendo dos Estados Unidos". EFE mvs/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG