Paula Oliveira desmente confissão em julgamento na Suíça

Começou nesta quarta-feira, em Zurique, o julgamento da advogada Paula Oliveira, acusada de ludibriar a Justiça suíça ao afirmar à polícia ter sido atacada por um grupo de neonazistas em fevereiro deste ano. No tribunal, a ré desmentiu a confissão que fizera a policiais, na qual reconhecera ter mentido sobre o ataque. Não consigo me lembrar de nada, afirmou.

BBC Brasil |

Mas ao responder à pergunta da juíza Eleonora Lichti, sobre o suposto ataque que diz ter sofrido, a brasileira disse: "Essa é a verdade que está guardada na minha memória", segundo publicou o site do jornal suíço 20min.

Quando a juíza perguntou qual a razão de ter admitido a mentira, Paula afirmou que estava em estado de choque, que queria fugir do assédio da mídia e que os policiais, na ocasião do depoimento, teriam garantido que tudo acabaria mais rápido se ela fizesse uma confissão.

A brasileira chegou ao tribunal acompanhada de seu advogado, vestida de preto e com a cabeça coberta por um pano negro. Ela está sendo julgada desde as 9h30, hora local. A sessão está prevista para durar o dia inteiro.

Devido ao grande interesse da imprensa local, o julgamento foi transferido para uma sala maior do edifício do tribunal distrital de Zurique.

Multa

A promotoria não pediu pena de prisão, mas quer que a ré seja punida com uma multa em dinheiro.

Ela é acusada de ter ludibriado a Justiça e de ter se auto-mutilado com uma faca no dia 9 de fevereiro passado, fazendo cerca de 200 marcas em diversas partes do corpo, no banheiro da estação de trem de Stettbach, nos arredores de Zurique. Ela também é acusada de ter afirmado para a polícia que fora vítima de um ataque de neonazistas.

O advogado de Paula, Roger Müller, divulgou há dois meses um comunicado informando que "Paula não reconhece a acusação formulada pela Procuradoria Superior do Ministério Público do Cantão de Zurique". Ele insiste que ela é inocente.

A defesa alega que a brasileira sofre de problemas mentais. Ela chegou a ser internada em uma clínica psiquiátrica em Zurique, após o incidente. Mas para o veredicto, o tribunal levará em consideração somente o estado mental de Paula no momento do suposto ataque.

A defesa anunciou que vai levar à Justiça outras provas a favor da versão de Paula. O caso Paula Oliveira criou uma tensão diplomática entre o Brasil e a Suíça porque a advogada de 27 anos, que vivia legalmente na Suíça, disse à polícia de Zurique ter sido vítima de um ataque xenófobo realizado por um grupo de neonazistas.

A brasileira disse que estava grávida e que havia perdido gêmeos quando os agressores marcaram, à faca, na barriga e nas pernas, as iniciais "SVP", siglas de um partido de extrema direita suíço.

O caso, entretanto, mudou de direção após exames clínicos provarem que a brasileira havia mentido em seu depoimento e após exames ginecológicos atestarem que ela não estava grávida.

O incidente causou comoção não apenas no Brasil, mas também na Suíça. O SVP repetidamente pediu a expulsão da brasileira do país.

Leia mais sobre Suíça

    Leia tudo sobre: suíça

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG