Patronais agropecuárias argentinas levam reivindicações ao Parlamento

Buenos Aires, 13 mai (EFE).- As patronais agropecuárias da Argentina levaram hoje ao Parlamento as reivindicações sobre os impostos à exportações de grãos, que geraram o enfrentamento com o Governo há dois meses.

EFE |

Enquanto isso, agrupamentos sociais que apóiam o governo advertiram que se a greve do campo "se aprofundar", também sairão às ruas para respaldar o Governo.

Dirigentes das entidades rurais foram recebidos na sede do Congresso por deputados e senadores da oposição, que colocaram como objetivo do encontro a busca de uma solução para o conflito agropecuário e a criação de um "espaço de debate" que impulsione medidas legislativas concretas para o campo.

A reunião foi assistida pelos presidentes da Sociedade Rural Argentina, Luciano Miguens; das Confederações Rurais Argentinas, Mario Llambías, e da Coninagro, Fernando Gioino, assim como Alfredo De Angeli, dirigente da Federação Agrária Argentina, entre outros.

O encontro, convocado como uma "audiência pública", foi impulsionado pela União Cívica Radical, pela Coalizão Cívica e pela Proposta Republicana, os principais partidos opositores.

Ao final da reunião, Llambías lamentou "a ausência do oficialismo" na audiência e disse que na reunião todos concordaram na necessidade de se "solucionar o conflito o mais breve possível".

De Angeli, no entanto, considerou que a controvérsia "uniu todos" e pediu aos legisladores que "deixem as misérias humanas e ideológicas e se unam para ajudar (o setor agropecuário)".

Mais cedo, Eduardo Buzzi, titular da Federação Agrária Argentina, afirmou que, embora o diálogo entre o campo e o Governo esteja interrompido, o setor agropecuário espera uma convocação das autoridades para retomar as negociações.

"Se há humildade e racionalidade do lado do Governo, é possível discutir", afirmou.

O ministro da Justiça, Aníbal Fernández, acusou os dirigentes rurais de arruinarem as negociações com o Executivo no último momento, de maneira intencional e "quando estava tudo praticamente estipulado".

Além de não comercializar grãos destinados à exportação, desde quinta-feira passada, as entidades do campo realizam manifestações e bloqueios temporários de estradas em diferentes pontos do país.

As patronais agropecuárias resolveram retomar a greve após mais de um mês de "trégua" devido ao fato de o Governo não aceitar discutir a política fiscal para o setor, que foi o detonante da greve de três semanas, realizada em março.

Em entrevista coletiva, o dirigente grevista Luis D'Elía, titular da Federação de Terra e Habitação, indicou hoje que as organizações sociais governistas "sairão às estradas para respaldar o Governo" de Cristina Kirchner se o conflito continuar.

"Não queremos fazer cortes, mas permanecer à beira das estradas, informando, dizendo por que as retenções (impostos às exportações) devem continuar", explicou D'Elía antes de voltar a classificar o protesto como "um golpe de Estado econômico e político".

O conflito agropecuário começou a dividir opiniões no Partido Justicialista (peronista) e se transferiu ao Parlamento, onde a oposição se uniu a favor do campo.

Os dirigentes rurais conseguiram envolver no assunto governadores provinciais, entre eles vários peronistas ou aliados do Executivo, além de receber o apoio de prefeitos e deputados do governo e de forças da oposição. EFE cw/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG