Tamanho do texto

(atualiza número de mortos) Manila, 21 jun (EFE).- Pelo menos 17 pessoas morreram e cinco permanecem desaparecidas por causa das inundações e deslizamentos de terra causados pela passagem do tufão Fengshen pelo sul das Filipinas.

Quatorze pessoas morreram afogadas em uma enchente na província de Maguindanao, onde ainda são buscados outros cinco desaparecidos.

Além disso, um homem de 50 anos e seu filho de 10 perderam a vida quando sua casa foi arrasada pela cheia de outro rio em Cotabato, na ilha de Mindanao (800 quilômetros ao sul da capital).

No mesmo local, foi recuperado ainda o corpo sem vida de um homem idoso.

Nas regiões leste e central, 200 mil pessoas foram evacuadas e todos os vôos domésticos foram suspensos, assim como o transporte por barco entre as ilhas.

A tempestade arrancou árvores e tetos das casas na cidade de Roxas, que esta manhã foi atingida por ventos de até 140 km/h.

Durante o fim de semana, o tufão provocará chuvas torrenciais nas regiões centrais de Bicol e Visayas, assim como em Luzon, a ilha onde se encontra a capital, segundo a Administração de Serviços Atmosféricos, Geofísicos e Astronômicos (Pagasa).

Quase 800 passageiros e dezenas de veículos permanecem presos nos portos de Bicol, depois que a Guarda Litorânea impediu a saída de barcos, por causa dos vendavais e das fortes ondas.

Os residentes de zonas montanhosas e próximas à costa foram advertidos do risco de inundações e deslizamentos de terra, enquanto os habitantes de regiões litorâneas deverão proteger-se de possíveis ondas gigantes.

Caso a situação piore, não está descartada a intervenção das Forças Armadas. Já se iniciou o armazenamento de arroz e material de emergência, e os hospitais se encontram em estado de alerta máximo.

O "Fengshen" tocou terra ontem, na ilha de Samar (180 quilômetros ao leste de Manila), antes de virar em direção ao Oceano Pacífico, onde amanhã passará próximo à cidade japonesa de Okinawa, segundo o último boletim meteorológico. EFE csm/gs