Pequim, 22 mai (EFE).- a Organização dos Jogos Olímpicos de Pequim (Bocog) decidiu adiar para agosto a passagem da tocha olímpica por Sichuan, epicentro do terremoto que matou mais de 41 mil pessoas na China.

O revezamento em Sichuan (sudoeste), que estava previsto para o período entre 15 e 18 de junho, foi adiado para 3 a 5 de agosto, pouco antes de a chama olímpica chegar a Pequim, onde em 8 de agosto começam os Jogos, informou o Bocog.

O anúncio acontece depois da crítica de vários chineses sobre o fato de o revezamento gerar um custo muito alto e de ter um tom festivo, já que a China vive sua pior catástrofe nos últimos 30 anos.

O revezamento da tocha olímpica, que foi suspenso de 19 a 21 de maio em sinal de luto pelo devastador terremoto, será retomado hoje em Ningbo, na província de Zhejiang.

Além disso, um grupo ativista tibetano pediu hoje ao Comitê Olímpico Internacional (COI) que cancele a etapa do percurso da tocha pelo Tibete, em memória às vítimas do terremoto, cujo epicentro aconteceu em uma cidade de etnia tibetana.

A cidade de Aba, na província sudoeste de Sichuan, foi palco em março de parte dos protestos tibetanos contra o Governo chinês, e no dia 12 de maio registrou o epicentro do terremoto de 8 graus de magnitude que até o momento matou mais de 41 mil pessoas. EFE mz/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.