Partidos no poder tem perdas em votação europeia

BRUXELAS - Eleitores puniram vários governos nacionais enfrentando a crise econômica global nas eleições parlamentares da Europa, como mostram pesquisas de boca-de-urna no último dias das eleições no domingo.

Reuters |


Embora partidos de centro devam manter o controle na assembléia de 736 membros, que define muitas leis pan-Europeias, pesquisas mostram que partidos na Letônia, Grécia e Irlanda tiveram desempenho ruim.

As consultas mostram que os conservadores unidos à chanceler Angela Merkel permanecem um grupo forte na Alemanha, mas com perda de votos nas eleições, amplamente consideradas como um teste do sentimento do público antes das eleições nacionais em setembro.

Pesquisas de opinião antes da votação sugeriam que governos da Grã-Bretanha, Espanha, Bulgária e Hungria enfrentariam perdas, e partidos de extrema direita poderiam ter ganhos em alguns países, se o comparecimento às urnas fosse baixo entre os 375 milhões de eleitores.

Uma pesquisa de boca-de-urna realizada por um grupo grego mostrou que os partidos europeus de centro-direita ganharam terreno às custas das legendas de esquerda.

Os partidos de centro-direita ficaram com 39,5% dos votos, acima dos 36,6% em 2004, assegurando 291 dos 736 lugares do parlamento, segundo estimativas da Kapa Research.

A pesquisa mostrou ainda que o Grupo Socialista Europeu ficou com 26%, abaixo dos 27,6% cinco anos atrás.

Embora não haja consequências formais para os governos derrotados na votação europeia, eles devem enfrentar pressões por mudanças nas políticas nacionais.

"Aparentemente as eleições não serão um triunfo ou um grande momento para a democracia europeia", disse Thomas Klay, do Conselho Europeu de Relações Exteriores.

"Governos nacionais criaram a imagem de que a Europa é bem inútil por não ser capaz de dar uma mensagem suficientemente forte, convincente e unida em meio à maior crise econômica desde os anos 30."

Dezenove países membros da União Europeia votaram no quarto e último dia das eleições. Os outros oito já votaram para o parlamento, que tem a última palavra na indicação de líderes da União Europeia e no orçamento dos países-membros.

Muitos eleitores estão preocupados com o aumento do desemprego e dizem que a UE fez muito pouco e agiu muito tarde para combater a crise econômica. Outros dizem que a UE está muito distante e tem pouco impacto no dia-a-dia das pessoas. Alguns simplesmente não entendem um sistema em que o parlamento divide poder com o executivo da Comissão Europeia e com o Conselho dos chefes de Estado e governo da UE.


Leia mais sobre União Europeia

    Leia tudo sobre: união européia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG