Partidos indianos discordam após aprovação de acordo nuclear com EUA

Nova Délhi, 2 out (EFE).- Os principais partidos da Índia voltaram hoje a entrar em conflito devido ao acordo de cooperação nuclear civil com os Estados Unidos, que o Senado americano aprovou na quarta-feira à noite por uma ampla margem.

EFE |

Enquanto o governamental Partido do Congresso comemorou a decisão do Senado americano e a qualificou como "momento histórico" para a Índia, país que evitou assinar o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), os partidos opositores criticaram o acordo e o consideraram de rendição e traição.

"Nenhum outro país na história mundial passou por esta prova de fogo em tão pouco tempo (...). É uma velocidade vertiginosamente inédita no mundo, que reconhece a posição da Índia no mundo", disse à agência indiana "PTI" um porta-voz do partido governante, Abhishek Manu Singhvi.

Em virtude do pacto nuclear de cooperação civil com os Estados Unidos, a Índia terá acesso ao mercado nuclear internacional e poderá desenvolver uma reserva própria de combustível atômico para uso civil.

A Índia deve, em troca, identificar e separar suas instalações nucleares militares das civis, que serão colocadas sob vigilância da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) a partir do acordo de salvaguardas.

"O mundo precisa da Índia tanto quanto a Índia precisa do mundo.

É algo que tínhamos entendido e que agora o mundo reconheceu. Agora somos uma potência nuclear reconhecida", disse hoje o conselheiro de Segurança Nacional, M. K. Narayanan.

Antes da decisão do Senado, a Câmara de Representantes (Câmara Baixa dos EUA) já tinha aprovado o acordo, no sábado passado.

Antes, tanto o Grupo de Fornecedores Nucleares quanto a AIEA tinham dado o sinal verde ao acordo, que continua gerando fortes críticas na oposição indiana.

"O Governo caiu em uma armadilha e não poderá sair dela. O acordo é feito às custas da soberania e a independência nuclear do país", reagiu um porta-voz do opositor Bharatiya Janata Party, Rajiv Pratap Rudy. EFE daa/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG