Partido sérvio convoca manifestação contra detenção de Karadzic

BELGRADO - O ultranacionalista Partido Radical Sérvio (SRS) afirmou, nesta segunda-feira, que espera atrair várias dezenas de milhares de pessoas a uma manifestação convocada para amanhã em Belgrado em protesto contra a detenção do suposto criminoso de guerra servo-bósnio Radovan Karadzic.

Redação com agências internacionais |

Karadzic, que deverá responder a acusações de genocídio relacionadas com a Guerra da Bósnia (1992-95), foi detido na semana passada, na Sérvia, depois de ficar 11 anos foragido.

Atualmente, o acusado encontra-se em uma prisão de Belgrado, à espera de ser extraditado.

Aleksandar Vucic, secretário-geral do SRS, o principal partido opositor, declarou que a concentração enviará a mensagem à Sérvia, à Europa e ao mundo de que os cidadãos lutarão "contra o regime ditatorial de Boris Tadic", o pró-europeu presidente sérvio.

Segundo a agência de notícias nacional "Tanjug", Vucic afirmou que será um protesto "pacífico e digno" e mostrará "a unidade de todos os que pensam livremente na Sérvia".

Ele anunciou que o comício começará às 19h (14h em Brasília) na Praça da República e que, depois, começará uma passeata pelas ruas da capital, mas se recusou a especificar o percurso.

O também opositor e nacionalista Partido Democrático da Sérvia (DSS), do ex-primeiro-ministro Vojislav Kostunica, e seu aliado Nova Sérvia (NS), de Velimir Ilic, expressaram apoio ao protesto em massa de terça-feira.

Desde a detenção do ex-líder servo-bósnio, há uma semana, por parte dos serviços secretos sérvios nos arredores de Belgrado, houve vários protestos organizados por agrupamentos "ultras", dos quais participaram entre dezenas e centenas de pessoas.

O irmão do suposto criminoso de guerra, Luka Karadzic, pediu aos participantes da manifestação de amanhã que "tudo transcorra em calma" e que "não se deixem levar pelas provocações", e pediu à imprensa para não boicotar o protesto.

A possibilidade de boicote foi mencionada por veículos de comunicação, depois que, na semana passada, um repórter da emissora de rádio e televisão "B92", de Belgrado, foi agredido por um jovem participante de um dos protestos contra a detenção de Karadzic.

Várias pessoas foram detidas em relação a esse incidente.

Entenda o caso

Karadzic foi indiciado por planejar o massacre de cerca de oito mil muçulmanos bósnios em Srebrenica e pelos 43 meses de cerco a Sarajevo, onde mais de 11 mil pessoas morreram em virtude dos bombardeios, disparos de franco-atiradores, desnutrição e falta de atendimento médico.

Pouco se sabe sobre o que o ex-líder fez nos anos que ficou foragido. Relatos nunca confirmados dão conta de que se disfarçou de padre ortodoxo e morou em monastérios, levando uma vida secreta sob a proteção de nacionalistas radicais presentes no Exército e na polícia.

Nos últimos anos, passou a viver na capital sérvia usando um nome falso, fingindo ser um praticante de medicina alternativa e usando barba longa, cabelo comprido e óculos grossos para esconder o rosto.

Muitos nacionalistas consideram-no um herói vitimado pela propaganda anti-Sérvia.

(*Com informações das agências Reuters e EFE)

   Clique na imagem e veja o infográfico sobre Radovan Karadzic

Imagem mostra Karadzic barbudo para não ser reconhecido
Leia mais sobre: Radovan Karadzic

    Leia tudo sobre: radovan karadzic

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG