BEERLIM - O chefe do partido alemão União Social-Cristã (CSU), Horst Seehofer, rejeitou hoje a renúncia do ministro da Economia, Michael Glos.

Glos tinha justificado sua proposta de renúncia pela necessidade de seu partido de se renovar, após perder a maioria absoluta nas eleições da região federal da Baviera.

"Michael Glos tem minha confiança e comuniquei a ele que não aceito seu pedido", disse Seehofer.

Glos enviou hoje ao chefe de seu partido, a União Social-Cristã (CSU), Horst Seehofer, no qual diz que o grupo deve se reorganizar após perder a maioria absoluta nas recentes eleições regionais na Bavária.

A CSU é a ala bávara da União Democrata-Cristã (CDU), da chanceler Angela Merkel, e tem dois ministros no Governo.

Segundo informações da imprensa, Glos estava insatisfeito ultimamente porque Merkel e o ministro das Finanças, o social-democrata Peer Steinbrück, não o tinha deixado desempenhar um papel determinante na gestão da crise financeira e econômica internacional.

Nos últimos dias, o ministro tinha sido alvo de críticas por causa de um incidente em um controle policial.

Glos quis passar pelo controle policial em seu carro e foi impedido pelos agentes, que tinham instruções de permitir a passagem apenas da chanceler Angela Merkel.

Diante disso, Glos - que devia substituir Merkel na reunião em questão - enfrentou os agentes e ameaçou, inclusive, acabar com a carreira deles.

Apesar de Glos ter se desculpado depois e os agentes terem dado o assunto por encerrado, houve algumas críticas irônicas em vários meios de comunicação.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.