Partido propõe prisão para quem pedir fim do Estado judeu

Jerusalém, 27 mai (EFE).- O Parlamento israelense aprovou hoje, em primeira leitura, um projeto de lei que pune com um ano de prisão quem pedir o fim de Israel como Estado judeu e democrático.

EFE |

A proposta, apresentada pelo partido de extrema direita Habait Haiehudi, foi aprovada com 47 votos a favor, 34 contra e uma abstenção.

O texto tem como objetivo pôr fim a toda declaração contra Israel como "Estado judeu e democrático" que "possa levar a atos de ódio, desprezo ou falta de lealdade em relação ao Estado, a suas autoridades governamentais ou a seus sistemas legais".

Após a votação, teve início uma grande discussão entre o líder do partido árabe Balad, Jamal Zahalka, e o legislador Arieh Eldad, do União Nacional (extrema direita), que só terminou depois que aquele foi expulso do plenário.

"Muitos intelectuais no meio acadêmico que falam de um país para todos os seus cidadãos acabarão atrás das grades, de acordo com (Zevulun) Orlev (o autor da proposta), assim como líderes árabes e judeus que buscam a autêntica democracia em Israel. Orlev quer prender todos os que discordam dele!", disse Zahalka.

Por sua vez, Afo Agbaria, deputado do comunista Hadash, o único partido misto do país, comparou a projeto de lei com as medidas legais decretadas pelo regime nazista. EFE ap/+sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG