O partido centrista israelense Kadima decidiu nesta quinta-feira organizar primárias em meados de setembro para designar o sucessor de seu atual líder, o primeiro-ministro Ehud Olmert, abalado por um escândalo de corrupção pelo qual deve ser interrogado pela polícia na sexta-feira.

O comitê de orientação do partido se reuniu no fim da tarde em Petah Tikva (centro de Israel), informou o porta-voz do Kadima, Shmuel Dahan.

"Foi decidido por unanimidade que estas primárias serão realizadas a princípio entre os dias 14 e 18 de setembro, e em todo caso até o dia 25 setembro", frisou Dahan.

Olmert foi alvo de vários apelos para renunciar, procedentes tanto da oposição como de seu próprio partido, devido a suspeitas de que teria recebido importantes quantias em dinheiro de um empresário judeu americano, Morris Talansky, antes de sua eleição ao cargo de primeiro-ministro, em 2006.

Olmert afirma que o dinheiro foi utilizado de forma totalmente legal.

Não é descartada a eventualidade de que o premier israelense se candidate a própria sucessão. Ele deve ser interrogado pela polícia, pela terceira vez, em sua residência de Jerusalém.

Os candidatos potenciais à sucessão de Olmert são a ministra das Relações Exteriores Tzipi Livni, o ministro dos Transportes Shaul Mofaz e o ministro da Segurança Interna Avi Dichter.

Olmert já avisou que deseja permanecer no cargo se não for indiciado oficialmente pela justiça.

rb/yw

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.