Partido governista encerra campanha presidencial no Paraguai

O clima eleitoral intensificou-se nesta quarta-feira no Paraguai, com a candidata governista, Blanca Ovelar, encerrando uma campanha que pode representar o fim dos 60 anos de poder do Partido Colorado no poder; o ex-bispo Fernando Lugo lidera as pesquisas.

AFP |

Lugo busca associar transmitir imagem de confiança. Um comercial na televisão mostra o candidato nesta quarta-feira diante do palácio do governo falando em recuperar "o orgulho de ser paraguaio".

O ex-bispo participou ontem à noite de um ato na cidade de Luque, capital paraguaia durante a Guerra da Tríplice Aliança (1864-1870), envolto em bandeiras.

"Depois de domingo, se quiser voltar a ser bispo, será bispo, se quiser ser cardeal, será cardeal, mas ele será Presidente da República", afirmou seu irmão, Pompeyo Lugo. O ex-sacerdote, que não pôde fazer um discurso - sua equipe informou à AFP que ele sofre de laringite, limitou-se a sorrir e a saudar os presentes.

A campanha está manchada de acusações de corrupção. Os candidatos de oposição acusam o governo de fazer uso da máquina pública para apoiar sua candidata.

No entanto, a Corte Eleitoral paraguaia afirmou nesta quarta que as eleições serão "absolutamente transparentes" apesar das denúncias de possíveis fraudes formuladas por todos os setores.

"A justiça eleitoral vai realizar eleições absolutamente transparentes", declarou Carlos Alberto Millones, funcionário do Tribunal de Justiça Eleitoral.

Por outro lado, as Forças Armadas paraguaias garantiram que respeitarão os resultados da eleição presidencial no próximo domingo, ganhe quem ganhar. "Está claro e contundente que as Forças Armadas estão aqui para defender a institucionalidade e permanecerão imparciais quanto aos resultados", afirmou seu comandante, o general Bernardino Soto Estigarribia, ao jornal ABC.

Lugo, que lidera a Aliança Patriótica para a Mudança (APC, sigla em espanhol), está à frente nas pesquisas publicadas pelo jornal La Hora, com 34% das intenções de voto. Em segundo lugar vem o general aposentado Lino Oviedo, com 29% dos votos. Em terceiro aparece Ovelar, ex-ministra da Educação do atual presidente Nicanor Duarte, com 28,5% das intenções de voto.

A polícia, enquanto isso, investiga as listas de hóspedes dos hotéis do país a fim de detectar "agitadores" estrangeiros. A polícia deteve nesta quarta-feira nove colombianos denunciados em hotéis por não apresentarem documentos em dia, afirmou o ministro do interior Libio Fernández, um dia após o governo anunciar a chegada de "agitadores" estrangeiros no país para "conturbar" as eleições de domingo.

Funcionários do ministério de Obras Públicas saíram às ruas nesta quarta em apoio a Ovelar. Esta manifestação "se justifica plenamente porque estamos eufóricos. Somos todos colorados e queremos que o governo ganhe as eleições", disse Jorge Cabello, funcionário do ministério.

"Quase todos os companheiros do ministério são colorados" e "saímos para festejar a vitória de Blanca", acrescentou, entre o som de apitos, buzinas e músicas partidárias.

pz/cl/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG