Partido de Nobel da Paz conquista 40 de 45 cadeiras no Legislativo de Mianmar

Apesar de vitória de domingo, legenda da ativista Aung San Suu Kyi não tem maioria no Parlamento do país

iG São Paulo |

O partido de Aung San Suu Kyi ganhou as eleições parlamentares em Mianmar com enorme vantagem, informou o comitê eleitoral do país nesta segunda-feira. A vitória pode marcar o início de uma nova era, depois de uma votação histórica que deve levar o Ocidente a aliviar sanções.

Veja também: Oposição diz que Suu Kyi ganhou vaga no Parlamento em Mianmar

AP
Aung San Suu Kyi acena a partidários após resultado da eleição em Yagon, Mianmar
A Liga Nacional pela Democracia (LND), partido de Suu Kyi, garantiu 40 das 45 cadeiras legislativas disponíveis na eleição de domingo, informou a Comissão Eleitoral da União (UEC) em um comunicado lido na estatal MRTV.

A carismática Suu Kyi, vencedora do Prêmio Nobel da Paz que liderou a luta contra o regime militar na antiga Birmânia há duas décadas e foi libertada da prisão domiciliar em novembro de 2010, terá um assento na Câmara Baixa do Parlamento.

As eleições parlamentares aconteceram após um ano de mudanças surpreendentes em um país que esteve sob o domínio do regime militar durante décadas: o governo libertou centenas de prisioneiros políticos, manteve negociações com os rebeldes de minorias étnicas, relaxou a censura à mídia e deu permissão para sindicatos comerciais atuarem.

"Não é tanto nosso triunfo, mas um triunfo do povo, que decidiu que eles devem estar envolvidos no processo político deste país", disse Suu Kyi a partidários na sede da LND em Yangun. "Esperamos que esse seja o início de uma nova era, quando haverá mais ênfase no papel do povo na política diária do nosso país. Esperamos que todos os outros partidos que participaram nas eleições estejam em posição de cooperar conosco para criar uma atmosfera genuinamente democrática."

Vitória com minoria

Apesar da vitória expressiva, a LND será minoria no legislativo nacional de Mianmar. Os 35 assentos na Câmara Baixa e as três cadeiras no Senado representam menos de 6% dos 664 assentos em ambas as câmaras, embora Suu Kyi deva desempenhar um papel proeminente.

As duas outras cadeiras conquistadas são em assembleias regionais. O UEC não anunciou os vencedores dos outros cinco lugares.

Aung San Suu Kyi: 'Eleições em Mianmar não serão justas', diz líder pró-democracia

As eleições de domingo foram as primeiras da LND desde 1990, quando derrotou o partido dos militares em uma eleição para uma assembleia de elaboração da constituição. A junta ignorou o resultado na época.

Nesta segunda-feira, o Partido para Desenvolvimento e Solidariedade da União (USDP), que foi formado pela junta militar que cedeu o poder há um ano e continuará sendo o maior partido no parlamento, não fez comentários sobre a vitória da LND.

Os Estados Unidos e a União Europeia haviam sugerido que poderiam retirar algumas sanções - impostas nas duas últimas décadas em resposta a violações de direitos humanos - se a eleição fosse livre e justa. A retirada das sanções poderia desencadear uma onda de investimentos no país rico em recursos, que faz fronteira com Índia e China.

*Com Reuters

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG