Partido Colorado encerra campanha confiante em vitória no Paraguai

Assunção - O Partido Colorado do Paraguai, que corre o risco de perder sua hegemonia após 61 anos no poder, encerrou nesta quarta-feira sua campanha para as eleições do próximo domingo com um grande ato em Assunção, com discursos otimistas sobre a vitória da candidata Blanca Ovelar.

EFE |

Ovelar, ex-ministra da Educação, afirmou em várias ocasiões que será a primeira presidente do país e derrotará nas urnas o ex-bispo Fernando Lugo, da coalizão opositora Aliança Patriótica para a Mudança (APC) e favorito nas pesquisas.

"Venceremos no dia 20 de abril", disse Ovelar aos cerca de 120 mil presentes no discurso, segundo dados dos organizadores, enquanto a imprensa local indicou que aproximadamente 70 mil pessoas estiveram presentes no ato.

O ato teve como um dos principais oradores o presidente do país, Nicanor Duarte, que lidera a lista de candidatos ao Senado do Partido Colorado, e também contou com a participação do candidato à Vice-Presidência Carlos María Santacruz.

"O Partido Colorado quer fazer história ao levar pela primeira vez uma mulher à Presidência da República", assinalou Ovelar, que vestia uma camisa vermelha e agitava com uma de suas mãos uma bandeira da mesma cor.

"Esta maré 'colorada' anuncia nossa vitória", indicou a ex-ministra da Educação, que alterna nas pesquisas o segundo lugar com o general reformado Lino Oviedo, da União Nacional dos Cidadãos Éticos (Unace), enquanto Lugo aparece em primeiro.

No entanto, a candidata do Partido Colorado afirmou que obterá uma contundente vitória, inclusive em Assunção e no departamento de Alto Paraná, na fronteira com o Brasil, onde os colorados têm com um menor apoio do eleitorado, de acordo com as pesquisas.

"Confiem em mim, sou uma mãe que sabe o que é o sacrifício de seguir adiante, eu sei o que sentem as mães em seus corações e sei o que se deve fazer para levantar esta nação", disse Ovelar, que amanhã participará junto com os demais candidatos do último debate pela TV antes das eleições.

"Não fico alterada quando atiram em mim todos os pecados do Partido Colorado em (seus) 60 anos (de Governo), porque se eu atirasse todos os pecados da Igreja sobre Lugo ele não poderia ser desenterrado", afirmou a ex-ministra.

Em sintonia, o chefe de Estado reiterou que os "colorados" triunfarão no domingo e disse que Lugo, que em dezembro de 2006 renunciou a seu estado clerical para se dedicar à política, era um "sacerdote fracassado".

"Este é o povo 'colorado' que vem dizer ao mundo, à comunidade internacional, que o Partido Colorado está de pé, está vivo, e vamos ganhar em 20 de abril", afirmou o governante.

A Presidência do país também será disputada por Pedro Fadul, do Partido Pátria Querida (PPQ); Horacio Galeano Perrone, do Movimento Teta Pyahú, e Julio López, do Partido dos Trabalhadores.

Mais de 2,8 milhões de paraguaios estão convocados para escolher ainda os Governos dos 17 departamentos (províncias) e suas respectivas juntas departamentais, além de 45 senadores, 80 deputados e 18 parlamentares do Mercosul para um mandato de cinco anos.

Leia mais sobre: Paraguai

    Leia tudo sobre: eleiçõesparaguai

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG