Partido acusa ex-presidente mauritano de querer dissolver grupos de oposição

Nuakchott, 11 ago (EFE).- A Coligação das Forças Democráticas (RFD), principal partido da oposição da Mauritânia, acusou o ex-presidente do país Sidi Mohammed Ould Cheikh Abdallahi, deposto após o golpe de Estado da última quarta, de desejar dissolver os grupos políticos da oposição.

EFE |

A acusação faz parte do memorando apresentado pelo partido aos emissários da Liga Árabe e da União Africana na sua visita a Nuakchott, no qual se diz que a decisão de Abdallahi era dirigida principalmente contra a RFD.

O grupo lembra no texto que o ex-presidente "bloqueava o funcionamento do Parlamento" e que seu mandato após as eleições de março de 2007 esteve marcado por "confrontos mortais nas ruas de Nuakchott, os primeiros da história do país, entre as forças de segurança e islâmicos".

Além disso, faz referência às manifestações que aconteceram no ano passado, batizadas por este grupo como "a revolta dos famintos" e motivadas pela degradação do poder aquisitivo dos cidadãos por causa do aumento do preço dos alimentos. EFE mo/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG