Parte do Muro das Lamentações desmorona e construção milenar sofrerá reparos

Uma parte do Muro das Lamentações, em Jerusalém, considerado o local mais sagrado para o povo judeu, começou a ruir, e precisou ser reparado para garantir a segurança das centenas de pessoas que diariamente vão ali para rezar, informaram autoridades israelenses nesta quinta-feira.

AFP |

Todos os anos, cerca de seis milhões de pessoas visitam o muro, reverenciado pelos judeus como a parte que restou do Segundo Templo, destruído pelos romanos. O local é também uma das maiores atrações turísticas de Israel.

Ironicamente, as largas camadas de pedras originais da base do muro, colocadas ali há cerca de 20 séculos, estão em ótimo estado de conservação, enquanto que pedras menores da parte de cima, colocadas ali menos de 100 anos atrás, agora começam a aparentar desgate.

"Há dois tipos de pedras. Algumas são do Segundo Templo, com mais de dois mil anos de idade, e de modo geral estão em bom estado", explicou Shmuel Rabinovitch, rabino do Muro das Lamentações.

"O problema são as pedras colocadas durante o mandato britânico. Essas pedras estão desmoronando, e nós precisamos repará-las", continuou.

Rabinovitch afirmou que os reparos devem começar em breve, depois do feriado religioso do Pessach - a Páscoa judaica -, que começa neste final de semana, e continuar por todo o verão do hemisfério Norte.

O Muro Ocidental - como também é conhecido - permanecerá aberto durante as obras, mas tudo será feito com muito cuidado, e visitantes e religiosos não devem temer que uma pedra caia sobre suas cabeças, garantiu Rabinovitch.

A Autoridade Israelense de Antigüidades ficará responsável pelo trabalho de restauração, e implantará medidas de segurança no local para que as pessoas possam rezar em segurança, afirmou Raanan Kislev, diretor do departamento de Conservação da Autoridade.

Segundo Kislev, o grupo arqueológico estatal realiza estudos sobre o Muro regularmente, que servirão para determinar a extensão dos reparos necessários.

"Nós verificamos o Muro a cada poucos meses", disse. "No passado, pedras pequenas já haviam caído".

Kislev destacou, no entanto, que o Muro Ocidental permanece firme e estável.

Sua construção data do ano 37 a.C., quando o rei Herodes decidiu expandir o complexo religioso do Segundo Templo, construindo quatro muros ao seu redor.

boc/ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG