Parlasul terá Brasil e Argentina com maior número de cadeiras

Assunção, 28 abr (EFE).- O Parlamento do Mercosul (Parlasul) aprovou hoje um projeto de distribuição proporcional de suas cadeiras com maioria para Argentina e Brasil, maiores parceiros do bloco regional, integrado também por Paraguai e Uruguai.

EFE |

O deputado uruguaio Roberto Conde explicou à Agência Efe que com a aprovação do projeto "nessa primeira etapa, de 2011 a 2014, o Brasil terá no Parlasul 37 membros, a Argentina 26, enquanto que Paraguai e Uruguai, 18 cada".

O Parlamento regional, com sede em Montevidéu e que se reuniu pela primeira vez em maio de 2007, é integrado atualmente por 18 legisladores de cada um dos quatro países, designados por seus próprios Congressos.

A partir de 2011, está previsto que sejam escolhidos por voto direto dos cidadãos seguindo o critério de representatividade cidadã, o que beneficia os países de maior população, no caso Brasil e Argentina.

"Já se sabia que esta era uma integração provisória até 2010 e que a partir de janeiro de 2011 seria preciso adotar um critério de representação que de alguma maneira expressasse de maneira equilibrada as ações dos diferentes países", afirmou o legislador uruguaio.

A distribuição das cadeiras foi aprovada durante a 17ª sessão plenária do legislativo regional, realizada hoje em Assunção.

"Os números definitivos serão acordados, seguramente, a partir de 1º de janeiro de 2015, em uma terceira etapa", afirmou Conde.

"Aos países pequenos, como Uruguai e Paraguai, talvez caia mal que haja mais parlamentares do Brasil, mas precisamos nos pôr no lugar dos cidadãos brasileiros", assinalou.

Para ele, "aqui não há nenhum tema de soberania em jogo porque o Parlasul elabora projetos que para entrar em vigência têm que ser aprovados no Conselho de Mercado Comum (CMC, principal órgão do Mercosul), onde rege o princípio de um Estado um voto".

As reuniões do Parlasul, que começaram ontem e que terminam hoje, aconteceram na sede do Congresso paraguaio. EFE rg/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG