Moscou, 25 ago (EFE).- O Parlamento da Rússia pediu hoje ao presidente do país, Dmitri Medvedev, que reconheça a independência das regiões separatistas georgianas da Abkházia e da Ossétia do Sul.

Em sessões extraordinárias nas duas casas, os parlamentares - primeiro os senadores e depois os deputados - expressaram seu total apoio à política do Kremlin frente à crise, provocada pelo que consideraram uma "bárbara agressão" da Geórgia contra a Ossétia do Sul.

"Hoje aconteceu um fato histórico", disse, após a votação do documento, o presidente do Conselho da Federação, Serguei Mironov, que acrescentou que o mesmo será enviado à Presidência da Rússia imediatamente.

Os senadores também aprovaram o envio de tropas de paz russas adicionais para a zona do conflito no Cáucaso, já que, segundo a Constituição, o uso das Forças Armadas fora das fronteiras da Rússia deve ser autorizado pela Câmara Alta do Parlamento.

Na Duma, o apoio ao chefe de Estado foi aprovado por unanimidade pelos 447 deputados presentes no plenário.

O documento também cita a "realização urgente" de conversas com os Governos das repúblicas da Ossétia do Sul e da Abkházia para assentarem as bases jurídicas das "relações interestatais".

"Este reconhecimento cria os fundamentos para garantir a segurança e a defesa de seus povos (da Ossétia do Sul e Abkházia) das ameaças exteriores e para fortalecer a paz internacional e a estabilidade regional", destaca a declaração da Duma.

Os deputados taxaram de "agressões" as ações do Governo da Geórgia no início do mês contra a Ossétia do Sul, na qual, segundo os separatistas, mais de 2 mil pessoas morreram.

De acordo com a Duma, a possibilidade de a Geórgia restabelecer a integridade territorial pela via política não tem nenhuma perspectiva, e "esta nova realidade, cedo ou tarde, será reconhecida por toda a comunidade internacional".

Os parlamentares expressaram seu respaldo às ações decididas e adequadas pelo Governo da Rússia, "que garantiram a defesa da Ossétia do Sul do ataque da Geórgia".

Segundo o vice-presidente da Duma, Valeri Yazev, o reconhecimento da independência da Abkházia e da Ossétia do Sul é a única maneira de garantir a segurança de suas populações.

Para o deputado comunista e também vice-presidente da Duma Ivan Melnikov, após o reconhecimento da soberania da Abkházia e da Ossétia do Sul, será proposta a incorporação dessas duas repúblicas à Federação Russa.

"Sem esse passo, seria mantida a possibilidade da escalada do conflito e das disputas sobre as independências desses Estados", destacou Melnikov.

Imediatamente depois da votação no Senado, o presidente da região da Ossétia do Sul, Eduard Kokoiti, disse que não tem a intenção de "forçar os eventos" e que vai "esperar tranqüilamente a decisão do presidente da Rússia".

"Hoje a justiça foi feita, e esperamos que isso ajude a estabilidade no norte do Cáucaso", declarou o presidente da Abkházia, Serguei Bagapsh.

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, se reuniu com a direção do Gabinete, que recebeu a avaliação dos danos na Ossétia do Sul causados pelo conflito armado.

"Mais de US$ 1 bilhão, esses são os danos aproximados que causaram a agressão", disse Putin ao resumir o relatório apresentado pelo ministro do Desenvolvimento Regional russo, Dmitri Kozak.

Putin destacou que, "se recursos são necessários, é preciso liberá-los imediatamente". EFE bsi/wr/gs

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.