Parlamento iraquiano posterga debate sobre lei eleitoral provincial

Bagdá, 3 ago (EFE).- O presidente do Parlamento iraquiano, Mahmoud al-Mashadani, postergou hoje por tempo indefinido uma sessão extraordinária para discutir o veto do presidente do Iraque, Jalal Talabani, à recém aprovada lei eleitoral provincial.

EFE |

"Os deputados não conseguiram realizar a sessão urgente devido à falta de quórum, por isso o debate foi adiado por tempo indefinido", declarou à imprensa o parlamentar Selim al-Yabury, porta-voz da coalizão política sunita Frente do Consenso Iraquiano (FCI).

O representante da Aliança Curda (AK), o deputado Feriad Rauandezi, afirmou que os parlamentares de sua legenda, o Conselho Supremo Islâmico do Iraque (CSII) e de outros partidos políticos não entraram na sala da câmara.

Além disso, afirmou que os dois vice-presidentes do Parlamento, o xeque Khaled al-Attiyah e Aref Taifur, também não foram à sessão porque no momento dessa reunião participavam de um encontro com o primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki.

O presidente iraquiano Jalal Talabani, de etnia curda, e o vice-presidente xiita do país, Adel Abdel Mahdi, vetaram a lei eleitoral aprovada em 22 de julho no Parlamento ao considerar que viola a Constituição, já que foi votada em segredo e à revelia de todos os deputados curdos.

A lei suscitou grandes mobilizações cidadãs no Curdistão iraquiano, já que adia a realização de um plebiscito para determinar o status da rica cidade petrolífera de Kirkuk, que os curdos reivindicam o controle.

Depois que o plebiscito - previsto em princípio para antes do fim de 2007 e depois para antes de julho de 2008 - foi adiado de forma indefinida, a Lei de Conselhos Provinciais prevê que qualquer decisão sobre Kirkuk seja adotada por consenso. EFE am/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG