Parlamento elege Zuma como presidente sul-africano

Johanesburgo, 6 abr (EFE).- O líder do partido governante Congresso Nacional Africano (CNA), Jacob Zuma, foi eleito hoje como o quarto presidente da história democrática da África do Sul pela nova Assembleia Nacional, reunida em sua sede na Cidade do Cabo.

EFE |

A eleição de Zuma ocorreu após o juramento dos novos membros da Assembleia Nacional, escolhidos nas eleições de 22 de abril, quando o CNA obteve a maioria absoluta, com 264 das 400 cadeiras do Legislativo.

Zuma contou com 277 votos, enquanto o principal partido da oposição, a Aliança Democrática (DA, em inglês), com 67 cadeiras, se absteve da votação.

Outra legenda opositora, o Congresso do Povo (Cope, em inglês), com 30 cadeiras, votou no seu próprio candidato, Mvume Dandala, que também conseguiu outros 17 votos e chegou aos 47.

A proposta oficial para a escolha de Zuma como presidente, em nome do CNA, foi feita por Winnie Mandela, ex-esposa do primeiro presidente negro da África do Sul, Nelson Mandela, eleito em 1994 após a queda do regime do apartheid.

A apresentação de Winnie, condenada por diversos crimes graves em dois julgamentos diferentes, entre eles o de corrupção, foi muito criticada pela oposição, que pôs em xeque a honestidade do partido.

Zuma também chega à Presidência da África do Sul após uma longa polêmica não resolvida após ter sido acusado de corrupção durante quase oito anos, acusações que a Procuradoria-Geral sul-africana retirou duas semanas antes das eleições sem que nenhum tribunal chegasse a julgá-lo.

Antes da designação do novo chefe de Estado e de Governo, os legisladores elegeram a mesa diretora da Assembleia, presidida por Max Sisulu, também do CNA.

No novo Parlamento, o CNA tem a maioria absoluta, mas não alcança os dois terços de cadeiras que permitiriam ao partido reformar a Constituição sem alianças.

Zuma toma posse como presidente no próximo sábado durante um ato oficial na cidade de Pretória, sede do Executivo sul-africano. Até então, permanece no cargo o atual governante, Kgalema Motlanthe.

Também hoje, as legislaturas das nove províncias da África do Sul, escolhidas nas mesmas eleições de 22 de abril e das quais oito estão sob comando do CNA, se constituíram e designaram os chefes dos Governos provinciais.

Pela primeira vez na história da África do Sul, a maioria dos Governos provinciais, cinco deles, serão chefiados por mulheres. Um deles é o do Cabo Ocidental, o único não dominado pelo CNA, que será presidido por Helen Zille, líder da DA. EFE cho/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG