Parlamento do Mercosul rejeita política migratória da União Européia

O Parlamento do Mercosul (Parlasul) rejeitou a nova lei que permite a expulsão de imigrantes ilegais aprovada recentemente pelo Parlamento europeu, considerando que esta viola os direitos humanos, informou neste sábado a agência estatal Télam.

AFP |

O Parlasul se pronunciou sobre o tema na noite de sexta-feira, ao fim do primeiro dia de deliberações na província argentina de Tucumán (norte), às vésperas da cúpula de presidentes do bloco e de seus países associados que acontecerá na capital provincial na próxima segunda e terça-feira.

A resolução chama de "equivocada e estéril" a norma que impõe barreiras à imigração, e considera que sua aprovação "representa uma mancha para a imagem da União Européia" no mundo.

A lei aprovada pelo Parlamento europeu no dia 17 de junho estabelece 18 meses de prisão para imigrantes ilegais que se negarem a partir por iniciativa própria, além de uma proibição de cinco anos para voltar a entrar na União Européia.

O pronunciamento contou com o voto unânime do corpo integrado por 66 representantes de Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

sa/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG