O novo Parlamento da Coréia do Sul iniciou nesta segunda-feira suas sessões depois de vários meses de atraso, com o partido conservador em maioria e disposto a impor uma agenda voltada para a economia de mercado, depois de uma década de governo de presidentes liberais.

O Grande Partido Nacional (PGN) venceu as eleições legislativas de abril, depois da vitória de seu candidato, Lee Myung-Bak, na eleição presidencial de dezembro de 2007.

O PGN tem 172 das 299 cadeiras do Parlamento, enquanto o Partido Democrático (PD, liberal) tem apenas 83.

O PGN pretende aproveitar a maioria para revisar uma série de leis e medidas econômicas estabelecidas nos governos dos ex-presidentes liberais, Kim Dae-Jung e Roo Moo-Hyun, cujos mandatos são chamados pelos conservadores de "década perdida".

Leia mais sobre: Coréia do Sul

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.