Parlamentares iranianos atacam oposição após protestos

Governistas pedem que líderes opositores sejam julgados e executados, um dia após manifestações terem deixado um morto em Teerã

iG São Paulo |

Parlamentares iranianos pediram nesta terça-feira que os líderes opositores Mir Hossein Mousavi e Mehdi Karroubi sejam julgados e executados, um dia depois de protestos da oposição e reprimidos pelas forças de segurança terem deixado ao menos um morto em Teerã.

A TV estatal mostrou uma marcha de cerca de 50 parlamentares na sede do Parlamento, realizada nesta terça-feira. Eles gritavam palavras de ordem como "Morte a Mousavi" e "Morte a Karroubi". A agência oficial Irna divulgou um comunicado no qual os parlamentares dizem que os dois líderes são "corruptos na Terra e devem ser julgado".

AFP
Parlamentares iranianos fazem manifestação pedindo julgamento para líderes da oposição

A acusação de "corrupção na Terra" já foi usada contra dissidentes políticos no passado e prevê a pena de morte no caso de condenação.

Na segunda-feira, por meio de seu site oficial, Mousavi afirmou que a polícia o colocou em prisão domiciliar para impedir sua participação no protesto convocado em solidariedade às revoltas populares no Egito e na Tunísia. Karroubi também teria sido proibido de sair de casa.

Durante o protesto, que havia sido proibido pelas autoridades iraniana, dezenas de manifestantes foram presos e há registro de um morto e vários feridos. A manifestação convocada em apoio às revoltas no mundo árabe rapidamente se transformou numa demonstração de descontentamento contra o regime do presidente Mahmoud Ahmadinejad.

Os policiais usaram golpes de cassetete e bombas de gás lacrimogêneo para conter a multidão, que se reuniu em vários pontos da capital iraniana. As autoridades cortaram a eletricidade e bloquearam o funcionamento de telefones celulares no centro de Teerã. A BBC recebeu relatos de protestos similares em outras importantes cidades iranianas, como Isfahan, Mashhad e Shiraz.

Estados Unidos

A secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, manifestou apoio "claro e direto" aos milhares de manifestantes que saíram às ruas. "O que vemos no Irã hoje é uma prova de coragem do povo iraniano e da hipocrisia do regime iraniano - um regime que nas últimas semanas elogiou o ocorrido no Egito", declarou Hillary a jornalistas em Washington. Horas antes, ela havia dito que os manifestantes iranianos "merecem ter os mesmos direitos que viram ser exercidos no Egito". "Acreditamos que deve existir um compromisso para a abertura do sistema político do Irã, para que sejam ouvidas as vozes da oposição e da sociedade civil", declarou.

Apesar de o governo iraniano oficialmente apoiar os protestos no Egito, sustenta que as manifestações de Teerã são "ações políticas" dos líderes de oposição, justificando a proibição da realização do evento.

Analistas afirmam que o governo do Irã está tentando evitar que os grupos oposicionistas do país usem as manifestações do Egito como desculpa de retomar os protestos contra o governo, que ocorreram em peso em 2009 contra a então reeleição de Ahmadinejad.

Com BBC

    Leia tudo sobre: irãeuaahmadinejadprotestosmousaviegitoKarroubi

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG