Paris nega que francesa presa no México queira repatriação por gripe

México, 6 abr (EFE).- A francesa Florence Cassez, que cumpre condenação de 60 anos por sequestro em uma prisão mexicana, não pediu de maneira formal sua repatriação por temer a epidemia de gripe suína, como especulou a imprensa local, informam hoje fontes diplomáticas.

EFE |

Apesar do nome, a gripe suína não apresenta risco de infecção por ingestão de carne de porco e derivados.

Em coletiva de imprensa, o embaixador da França no México, Daniel Parfait, disse que Cassez recebeu recentemente a visita do cônsul geral do país, mas que ela não fez esse pedido.

"Não houve um pedido formal" por parte da francesa, disse Parfait.

O diário "Milenio" disse nessa quarta-feira que Cassez utilizou "como pretexto" o vírus para tentar "ser repatriada o mais rápido possível" à França.

A jovem de 35 anos cumpre pena na prisão feminina de Tepepan, no Distrito Federal, por participar de vários sequestros, algo que ainda nega.

O diplomata evitou falar sobre se na prisão onde está Cassez há medidas de saúde suficientes para evitar o contágio pelo vírus.

"Eu não posso tomar posição sobre as condições. Não estou em competência de fazer isso", afirmou.

O embaixador lembrou que o caso está sendo averiguado por uma comissão binacional criada em março passado por acordo dos presidentes do México, Felipe Calderón, e da França, Nicolas Sarkozy, para determinar se a jovem cumpre o resto de sua pena em território francês.

A França pede ao México que deixe Cassez completar o tempo de reclusão em uma prisão de seu país, em aplicação do convênio de Estrasburgo, que permite aos presos franceses no exterior cumprir penas em sua nação de origem.

O Governo francês assegurou nesta quarta-feira em Paris que vai tentar "acelerar as coisas" em relação a Cassez, enquanto as autoridades mexicanas asseguram que não há prazo para que se resolva a situação. EFE act/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG