Parentes das vítimas questionam Spanair por liberar avião acidentado

Madri, 24 ago (EFE).- Os familiares das vítimas do acidente aéreo da última quarta-feira no aeroporto de Barajas, em Madri, insistiram nas últimas horas em pedir explicações à companhia Spanair sobre as razões que levaram a empresa a autorizar a decolagem do aparelho, apesar de terem detectado uma avaria no mesmo horas antes.

EFE |

As famílias das vítimas e representantes da Spanair participaram de uma reunião na qual, segundo disseram à Agência Efe fontes presentes ao encontro, parentes quiseram saber especialmente por que o avião tentou decolar apesar dos erros detectados anteriormente.

Representando a Spanair esteve o vice-diretor da companhia, Javier Mendoza, que explicou que o comandante, falecido no acidente, detectou um mau funcionamento do aquecedor da sonda que mede a temperatura tanto em terra como em vôo, um instrumento que deve ser desativado automaticamente em terra.

Como o mecanismo automático falhou e a sonda seguia ativada, o piloto optou por retornar às oficinas de manutenção.

A citada sonda alimenta o computador que controla alguns parâmetros do motor, admitiu Mendoza, que, no entanto, expressou dúvidas sobre se o problema pode estar relacionado com o acidente.

Durante 33 minutos, a aeronave foi revisada por um mecânico de 41 anos e com experiência de mais de 20, que optou, como prevêem os procedimentos habituais, pelo desligamento do aquecedor.

Segundo Mendoza, "foi feito o que tinha que ser feito" na revisão que motivou o retorno da aeronave às oficinas de manutenção.

"Uma só causa nunca provoca um acidente aéreo. É sempre uma série de causas", acrescentou Mendoza, que defendeu ainda o alto índice de segurança de sua companhia e do modelo de avião acidentado, um McDonnell Douglas de 15 anos.

O modelo, disse, tem um índice de 0,26 acidente por cada milhão de horas de vôo, um dos mais baixos da aviação comercial.

O vice-diretor da Spanair também garantiu que a companhia está em condições de lidar com o pagamento de indenizações pelo acidente e que tratará de fazer chegar o mais rápido possível às famílias os celulares e utensílios pessoais resgatados no local da catástrofe.

Em nome dos familiares das vítimas, Ismael Rodríguez, amigo de um dos falecidos no acidente, disse que o que os parentes querem é que existam "prazos reais" no tempo de espera de identificação dos corpos, pois a demora na comprovação do DNA está provocando tensões.

Rodríguez lembrou que após a tragédia foi assegurado oficialmente que em um prazo de até 48 horas depois do acidente já teriam sido realizadas todas as identificações.

Lamentou ainda que até agora o número de identificações chegue a apenas 60, quatro dias depois da tragédia.

"Vai demorar mais do que esperávamos", reconheceram fontes da Defesa Civil espanhola. EFE nac/fr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG