Parente de refém se desculpa por ter acusado político de colaboração com Farc

A líder de uma associação de familiares de policiais e militares sequestrados na Colômbia, Marleny Orjuela, pediu desculpas nesta sexta-feira a Orlando Beltrán, um político que esteve em poder da guerrilha das Farc por seis anos, e reconheceu que se equivocou ao acusá-lo de colaborar com seus sequestradores.

AFP |

"Publicamente, peço desculpas a Orlando Beltrán e reconheço que me equivoquei em minhas afirmações", ressaltou Orjuela que no dia 31 de agosto, em declarações à imprensa, acusou o político de ter delatado durante o seu sequestro um plano de fuga de dois militares reféns e de ter pedido aos rebeldes que os prendessem.

Orjuela reiterou seu pedido às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para que "retirem estas medidas desumanas" contra os 24 militares e policiais que são mantidos em poder da guerrilha.

Beltrán, que foi libertado pela guerrilha em fevereiro de 2008, havia admitido que durante seu cativeiro teve divergências com alguns de seus companheiros sequestrados, mas negou tê-los entregue aos rebeldes.

hov/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG