Paraguaios se reúnem para promover Marcha Mundial pela Paz

Assunção, 6 mar (EFE).- Dezenas de ativistas paraguaios se manifestaram hoje em Assunção com seus corpos pintados para promover a 1ª Marcha Mundial pela Paz e a Não-Violência, que partirá no dia 2 de outubro, da Nova Zelândia, e percorrerá cidades dos cinco continentes.

EFE |

A apresentação da Marcha, convocada pela ONG internacional Mundo Sem Guerras e Sem Violência, foi liderada em Assunção pelo Partido Humanista Paraguaio.

Integrantes do partido e da ONG se reuniram em frente à sede do Panteão dos Heróis com os corpos pintados com críticas às guerras e às transações armamentistas pelo mundo.

Teresa Notario, dirigente do Partido Humanista, disse à Agência Efe que a marcha acontecerá no dia 2 de outubro para lembrar o aniversário de nascimento do pacifista indiano Mahatma Gandhi (1869-1948).

Segundo Notario, a mobilização tem como objetivo "alertar que os poderosos estão brincando com nossas vidas e que, para eles, a guerra é um negócio".

"Eles matam pessoas inocentes e geram o terror para justificar suas ações bélicas, que no final se transformam em negócios muito lucrativos para eles", disse a ativista.

"Se tivéssemos 10% do que eles gastam em mísseis, não teríamos pessoas passando fome no mundo", afirmou.

A manifestação foi dispersada pela Polícia depois que um grande número de transeuntes começar a se juntar aos ativistas.

O promotor-assistente Ariel Biedma, da Unidade de Prevenção de Crimes, disse que os ativistas "não pediram permissão às autoridades para realizar a manifestação".

"Eles têm liberdade para se expressar, isso é uma garantia constitucional, mas devem fazer seus protestos respeitando as leis", indicou Biedma, que descartou uma eventual acusação contra os ativistas.

A 1ª Marcha Mundial pela paz e a Não-Violência partirá no dia 2 de outubro da Nova Zelândia e percorrerá 35 países - incluindo o Brasil - em 90 dias.

A marcha terminará no dia 2 de janeiro de 2010, na Cordilheira dos Andes, na Argentina. EFE rg/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG