Paraguai reitera exigências devido a assimetrias no Mercosul

Tucumán (Argentina), 1 jul (EFE).- O Paraguai reiterou hoje suas antigas exigências devido às assimetrias entre as economias menores e maiores do Mercosul, mas ratificou seu compromisso com o processo de integração regional.

EFE |

"As assimetrias continuam sendo um desafio", disse o ministro de Exteriores paraguaio, Rubén Ramírez, em nome do presidente em final de mandato Nicanor Duarte.

O presidente paraguaio participou na segunda-feira do jantar dos presidentes do maior bloco sul-americano, mas depois voltou a seu país, para apresentar hoje um relatório de sua gestão ao Parlamento.

De qualquer forma, ao intervir no plenário da cúpula do bloco realizada hoje, em Tucumán, Ramírez reconheceu que o tema das assimetrias foi abordado pela primeira vez com a criação, há dois anos, do Fundo para a Convergência Estrutural do Mercosul, que beneficia principalmente o Paraguai e o Uruguai.

"O Mercosul não é uma opção, é nosso destino", disse o chanceler paraguaio, que renovou o compromisso de seu país com o processo de integração regional iniciado em 1991 por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

Ramírez agradeceu ao Mercosul uma declaração sobre o processo eleitoral no Paraguai, na qual define o pleito como "exemplar", "com eleições pacíficas e plenas de respeito aos direitos".

O Paraguai também reivindicou devido aos prejuízos econômicos sofridos por suas transportadoras, impedidas de circular livremente devido aos constantes bloqueios de estradas nos países da região.

Ramírez pediu também que o bloco coordene questões macroeconômicas, como uma "política cambial consistente", para controlar problemas como a inflação. EFE nk/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG