Paraguai prende brasileiros por ataque, diz jornal

Detidos seriam suspeitos em atentado contra senador aliado do governo em cidade na fronteira do Brasil

iG São Paulo |

Reuters
Carro do senador foi alvejado na segunda-feira
O chefe de polícia do Departamento de Amambay, Francisco González, confirmou nesta terça-feira a detenção de dois brasileiros de São Paulo suspeitos de envolvimento no ataque realizado na segunda-feira contra o senador liberal Robert Acevedo, partidário do governo. A informação foi divulgada nesta terça-feira pelo jornal paraguaio La Nación, citando informações da rádio 1º de Março.

Segundo o jornal, González afirmou à rádio que os cidadãos brasileiros são do Estado de São Paulo e seriam fugitivos de oprações em favelas no Brasil. Durante as detenções, também teriam sido confiscados carros com chapas do Estado.

O ataque causou a morte do motorista e de um guarda-costa de Acevedo, do Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA). A ação aconteceu no centro da cidade Pedro Juan Caballero, a cerca de 550 quilômetros de Assunção, na fronteira com o Brasil. A região, onde operam grupos de narcotraficantes, vigora um estado de exceção há dois dias.

O senador, que segundo pessoas próximas havia recebido ameaças de morte por denúncias contra narcotraficantes, estava hospitalizado em uma clínica da cidade, segundo a rádio Ñandutí.

Pedro Juan Caballero é a capital do Departamento (Estado) de Amambay, um dos cinco Departamentos do Paraguai onde desde sábado há um estado de exceção para facilitar o combate à guerrilha Exército do Povo Paraguaio, grupo armado de esquerda apontado como responsável por sequestros, assassinatos e ataques a delegacias.

Os demais Departamentos são San Pedro, Concepción, Alto Paraguay e Presidente Hayes. O estado de exceção vale por 30 dias e sua aprovação foi pedida ao Congresso pelo presidente Fernando Lugo.

    Leia tudo sobre: ParaguaiBrasilataquemortes

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG