ASSUNÇÃO (Reuters) - O governo paraguaio anunciou nesta terça-feira que mobilizará as forças armadas, policiais, funcionários e médicos do Estado em uma tentativa de evitar a rápida expansão da gripe H1N1, que causou a morte de três pessoas em menos de uma semana no país. O Congresso aprovou uma lei de emergência sanitária que permite a compra de medicamentos e contratação de pessoal auxiliar para combater a doença, além de aumento de recursos para o Ministério de Saúde Pública.

"Convidamos as forças vivas que façam frente a esta emergência", disse o presidente paraguaio, Fernando Lugo, em uma coletiva de imprensa na qual convocou as instituições de saúde estatais e privadas a unir esforços para conter o avanço do vírus.

O Ministério da Saúde do Paraguai registrou três mortes e 114 casos de infectados pela nova gripe, além de 500 suspeitos.

Lugo pediu calma à população, que reclama uma maior atenção em hospitais estatais, que estão lotados com pacientes com infecções respiratórias nos últimos dias.

(Reportagem de Mariel Cristaldo)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.