Paraguai critica declarações de diretor brasileiro de Itaipu

Assunção, 7 abr (EFE).- O diretor pelo lado paraguaio da hidroelétrica de Itaipu, Carlos Mateo Balmelli, qualificou hoje de improcedentes as declarações do representante brasileiro, e disse que acabou a época em que o maior fazia o que queria e o menor sofria o que devia.

EFE |

Em entrevista à Agência Efe, Balmelli respondeu ao diretor brasileiro da hidroelétrica, Jorge Samek, que, nesta segunda-feira, afirmou que o Brasil será o único beneficiado se, eventualmente, o Paraguai decidir recorrer a um tribunal internacional para reformar o Tratado de Itaipu.

O diretor paraguaio lembrou ao brasileiro que "não pode conhecer a possível decisão de uma instância internacional, a não ser que se baseie na antiga política segundo a qual os países grandes impunham seu poder aos menores".

"Quando Samek diz que o Brasil injetou todo o dinheiro para a construção da hidroelétrica, quero dizer e lembrar a ele, com todo respeito, que há legitimidade nas reivindicações paraguaias", afirmou.

De acordo com Balmelli, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva admite que as reivindicações do Paraguai em relação a Itaipu são justas.

O diretor paraguaio lembrou que essas questões serão tratadas na reunião que o líder paraguaio, Fernando Lugo, terá com Lula, em um encontro previsto, inicialmente, para o final deste mês.

Balmelli acrescentou que se Lula não tivesse intenções de avançar em torno dessas negociações, não teria proposto ao Paraguai investir na construção de obras, e sim faria isso através de empresas brasileiras.

O presidente brasileiro, lembrou, também apoiou uma compensação adicional de US$ 115 milhões anuais pela energia de Itaipu que o Paraguai vende a preço de custo ao Brasil, de acordo com o Tratado.

EFE ja/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG