Paraguai apreende armas e drogas em cidade fronteiriça com Brasil

Assunção, 17 mar (EFE).- Agentes antidrogas do Paraguai detiveram hoje seis pessoas e apreenderam armas de guerra e maconha em uma fazenda do departamento de Amambay, na fronteira com o Mato Grosso do Sul.

EFE |

A Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) informou que a apreensão ocorreu em uma propriedade rural que pertenceria ao suposto traficante Carlos Antonio Caballero, conhecido como "Capilo", nos arredores de Pedro Juan Caballero, capital de Amambay, a 530 quilômetros ao nordeste de Assunção.

Entre as armas apreendidas havia oito metralhadoras, uma escopeta, uma espingarda, nove carregadores e cartuchos. O material foi encontrado com os presos que trabalhavam supostamente como peões da fazenda.

Caballero foi capturado em 27 de dezembro junto ao brasileiro Jarvis Chimenes Pavão, um dos traficantes mais procurados no Paraguai e com mandado de prisão pela justiça brasileira.

Segundo a imprensa brasileira, Chimenes faz parte do cartel de Luiz Fernando da Costa, "Fernandinho Beira-Mar", que comanda as operações a partir da prisão de segurança máxima de Campo Grande, na capital do Mato Grosso do Sul, onde cumpre pena por tráfico de drogas, armas, homicídio, entre outros delitos.

Pavão estava entre os traficantes mais procurados no país, assim como Luiz Carlos da Rocha, conhecido como "Cabeça Branca", outro dos chefes dos grupos que operam na fronteira com o Brasil, principalmente entre Pedro Juan Caballero e a vizinha Ponta Porã, esta última no Mato Grosso do Sul.

A apreensão da Senad ocorreu sete dias depois do assassinato a tiros do suposto traficante Oscar Morel, de 42 anos, "Aguará" que é membro do "Clã Morel", um dos carteis que disputa o controle do tráfico de drogas e de armas no nordeste do país.

Morel e o guarda-costas Rolando Moreira, de 26 anos, foram assassinados após comparecerem diante da Promotoria de Concepción, capital do departamento do mesmo nome e também na fronteira com o Brasil.

Ambos foram pegos em uma emboscada quando eram transferidos em uma caminhonete da Administração Nacional de Eletricidade (Ande). Na mesma ação, também morreu o motorista do carro. Morel e Moreira recorreram a essa estratégia para tentar despistar os assassinos.

Nas regiões de fronteira entre Amambay, Concepción e Canindeyú, todas áreas com grande presença de floresta, é grande o cultivo ilegal de maconha, são comuns os homicídios por encomenda que, segundo as autoridades, são perpetrados por grupos de criminosos paraguaios e brasileiros que disputam o controle do tráfico dessa droga, de cocaína e de armas. EFE rg/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG