Para se defender, Berlusconi diz que mantém relação estável

Primeiro-ministro italiano enfrenta novo escândalo sexual no qual supostamente se envolveu com jovem marroquina

EFE |

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, defendeu-se das acusações do último escândalo sexual, no qual se envolveu supostamente com a jovem marroquina conhecida como Ruby R., assegurando que mantém uma relação estável.

Em mensagem divulgada neste domingo no site dos "Promotores da Liberdade", associação que pertence a seu partido, e também em um canal de televisão do qual é proprietário, o primeiro-ministro assegurou que até este momento não falou da pessoa com a qual compartilha uma "relação de afeto" para não expô-la aos meios de comunicação.

"Desde que me separei - embora nunca quis dizer isso para não expô-la midiaticamente -, tive uma relação de afeto estável com uma pessoa que obviamente estava frequentemente comigo, inclusive nessas noites", comentou Berlusconi, em alusão às festas em sua mansão de Arcore (na região de Milão). Essa pessoa "certamente não teria permitido que ocorressem no jantar, ou após o jantar, esses absurdos fatos sobre os quais alguns jornais falam", acrescentou.

Desta forma, Berlusconi deu uma resposta às constantes informações que aparecem nos meios de comunicação italianos desde a sexta-feira passada, quando a Promotoria de Milão anunciou que o primeiro-ministro estava sendo investigado por concussão e incitação à prostituição de menores pelo caso Ruby R.

Segundo a imprensa informou, as autoridades judiciais basearam a investigação em escutas telefônicas de pessoas presentes nas festas privadas do primeiro-ministro nas quais se fala que Ruby, que na época era menor de idade, manteve relações sexuais com Berlusconi e recebeu valiosos presentes - alguns deles em dinheiro - durante suas oito visitas a Arcore.

"É absurdo pensar que eu tenha pago para ter relações com uma mulher. É uma coisa que não me ocorreu nunca, nem sequer uma só vez em minha vida. É uma coisa que eu consideraria degradante para minha dignidade", afirmou. E acrescentou: "Ninguém pode ter se surpreendido por essas noites porque tudo aconteceu sempre sob o signo da mais absoluta elegância, do mais absoluto decoro e tranquilidade e sem nenhuma implicação sexual". O primeiro-ministro definiu o assunto como uma "gravíssima intromissão" em sua vida privada e uma manobra de fins políticos.

    Leia tudo sobre: berlusconirubyescândalo sexualrelação estávelitália

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG