Para Obama, pacote é apenas início de transformações na economia dos EUA

O presidente americano, Barack Obama, elogiou neste sábado a aprovação pelo Congresso do plano proposto por ele de estímulo econômico e disse que o pacote é apenas o início do processo para mudar a economia do país. Este passo histórico não finaliza o que devemos fazer para mudar nossa economia, mas apenas inicia, disse ele durante seu pronunciamento semanal.

BBC Brasil |

Obama disse que este é "um pacote é ambicioso em um momento em que precisamos muito disso".

"Este foi um marco rumo a recuperação e agradeço os membros do Congresso que, unidos por um objetivo comum, tornaram-no real", disse o presidente dos EUA, que deve sancionar a lei na segunda-feira.

O pacote de US$ 787 bilhões é dividido em 36% para cortes de impostos e 64% para gastos sociais. Cerca de US$ 240 bilhões devem ser destinados para benefícios fiscais para pessoas e empresas. A saúde deve receber US$ 140 bilhões, a educação, US$ 100 bilhões e cerca de US$ 48 bilhões devem ser destinados para projetos de transporte.

O dossiê de mais de mil páginas aprovado pelo Congresso especifica que a verba deve ser gasta na construção de estradas, pagamento de policiais em cidades mais atingidas pela crise e cortes em impostos para consumidores comprando casas e veículos, por exemplo.

Obama havia afirmado que o pacote deve criar ou manter cerca de 3, 5 milhões de empregos nos EUA.

O Congresso aprovou ainda limites muito mais duros nos bônus anuais recebidos por altos executivos do mercado financeiro americano do que os propostos por Obama.

Mas o pacote bilionário, a ser financiado por empréstimos contraídos pelo governo, foi criticado por republicanos, que desejavam mais benefícios fiscais e menos gastos estatais.

"Este dinheiro não é de brinquedo e deverá ser ressarcido no futuro por nossos filhos e os filhos de nossos filhos", afirmou o líder da minoria republicana no Senado, Mitch McConnell.

Já o líder democrata no Senado, Harry Reid, disse que esta foi a legislação mais importante que já votou.

"O país atravessa problemas e temos sorte de termos aprovado (o pacote)", disse ele.

O Senado dos Estados Unidos aprovou no final da noite de sexta-feira (horário local) o pacote, poucas horas depois de o plano também ter passado pela Câmara dos Representantes, sem nenhum apoio de deputados do Partido Republicano.

No Senado, o plano de recuperação econômica foi aprovado por 60 votos a 38, com o apoio de apenas três senadores republicanos.

Mesmo com a pouca adesão dos oposicionistas, os três votos foram o suficiente para evitar que os republicanos usassem a tática de obstruir a votação, o que poderia adiar ainda mais sua aprovação.

Os membros das duas casas haviam chegado a um acordo sobre o teor da legislação na última quarta-feira, após o Senado ter aprovado um plano que tinha diferenças com o que havia passado pela Câmara dias antes.


Leia mais sobre: crise financeira

    Leia tudo sobre: crise

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG