Para negar acusações, Equador divulga arquivos secretos

QUITO (Reuters) - O Equador divulgou na quarta-feira um conjunto de arquivos secretos a fim de tentar desqualificar as acusações colombianas de que o governo local apoiaria a guerrilha Farc e não tomaria providências para impedir suas operações em território equatoriano. A Interpol (polícia internacional) deve apresentar nos próximos dias um relatório sobre os arquivos encontrados em computadores do líder rebelde Raúl Reyes, morto em março num bombardeio colombiano em território do Equador.

Reuters |

'Exigimos, da mesma maneira como estamos desclassificando [retirando o sigilo] documentos reservados, que eles [a Colômbia] sejam capazes de demonstrar esse tipo de afirmações', disse a jornalistas o ministro equatoriano da Defesa, Javier Ponce, referindo-se às acusações lançadas por Bogotá, supostamente com base nos dados obtidos nos computadores do guerrilheiro morto.

De acordo com o governo colombiano, as Farc teriam inclusive dado apoio a Correa na sua eleição como presidente do Equador, em janeiro de 2007.

Correa nega as acusações e diz que o presidente da Colômbia, Álvaro Uribe, é um 'mentiroso' que tenta desprestigiá-lo no cenário internacional.

Em meio aos esclarecimentos do governo, o Ministério Público determinou a prisão preventiva de três sobreviventes do ataque colombiano contra o acampamento da guerrilha no Equador.

O pedido é parte de uma investigação iniciada por Quito para determinar a vinculação da mexicana Lucía Morett e das colombianas Martha Pérez e Doris Torres Bohórquez com as Farc.

As três mulheres deixaram o Equador antes que tivessem a prisão decretada. A Nicarágua lhes concedeu asilo político.

'Continuaremos com a investigação processual e pediremos a extradição', disse o promotor Washington Pesántez.

O Equador rompeu relações diplomáticas com a Colômbia por causa da violação do seu território. Os dois países têm uma fronteira comum de cerca de 600 quilômetros, que se tornou nos últimos tempos área de operação de grupos armados e narcotraficantes.

(Por Alexandra Valencia)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG