O presidente Dmitri Medvedev alertou nesta sexta-feira para a presistência da ameaça terrorista na Rússia e pediu a seus compatriotas que permaneçam vigilantes, depois do atentado suicida que na véspera matou 11 pessoas na localidade de Vladikavkaz, no Cáucaso, informaram as agências de notícias russas.

"Este acontecimento mostra que a ameaça terrorista perdura. Não se pode baixar a guarda", declarou Medvedev à margem de uma reunião sobre questões de segurança.

"Devemos averiguar o quanto antes possível o que aconteceu", acrescentou.

Um atentado suicida na quinta-feira deixou pelo menos 11 mortos e 41 feridos em Vladikavkaz, a capital da Ossétia do Norte, anunciaram agências de notícias russas, citando o governo desta república do Cáucaso.

O microônibus ficou totalmente destruído pela violenta explosão, e diversos corpos mutilados caíram em torno do veículo.

O presidente Taimuraz Mamsourov, citado pela agência russa Interfax, disse que a explosão ocorreu na zona do principal mercado da cidade.

A Ossétia do Norte é vizinha da Chechênia e da Inguchétia, duas das repúblicas do Cáucaso russo onde são freqüentes os incidentes e explosões atribuídos aos rebeldes.

Beslan, cidade onde rebeldes seqüestraram alunos e professores de uma escola, um episódio que terminou em tragédia com a morte de 334 pessoas, entre elas 186 crianças, em setembro de 2004, é vizinha de Vladikavkaz e pertence à mesma república.

bfi/lr/cn

Rusia-atentado

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.