Para Coaracy, horário de finais em Pequim não será problema para brasileiros

Rio de Janeiro, 5 ago (EFE). - Coaracy Nunes, presidente da Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), disse que um dos motivos de seu otimismo em relação ao desempenho do Brasil da natação em Pequim é a mudança no horário das competições realizadas no país, implantada há oito anos.

EFE |

Para o dirigente, o fato de as provas brasileiras serem realizadas pela manhã faz com que os atletas cheguem a Pequim habituados a nadar neste horário, o mesmo das finais dos Jogos.

"Os nossos atletas estão habituados a nadar na parte da manhã.

Isso começou há oito anos", disse Coaracy, que revelou ter sido muito criticado pela decisão.

Entretanto, os resultados do primeiro evento foram satisfatórios e mostraram que a iniciativa havia sido bem-sucedida. O dirigente explicou que o novo horário permitiu a transmissão da televisão, um fator que, para ele, foi decisivo na performance dos atletas.

"A primeira experiência foi em um campeonato da categoria júnior no Espírito Santo. Sabe o que aconteceu? Tivemos 40 recordes. O motivo é simples. O atleta sabe que está sendo visto por milhares de pessoas. Todos nadaram melhor", disse.

Em relação aos índices de audiência, Coaracy disse que as provas pela manhã não enfrentam fortes concorrentes em outros canais, como ocorre em outros horários.

"Não dá para concorrer com as novelas. E pela manhã, o país é nota dez, não há concorrência com as notícias dos telejornais. O Thiago (Pereira) atrai mais audiência do que o resto da programação, o que não aconteceria quando ele concorresse com a novela das oito, por exemplo", afirmou.

Segundo o dirigente, o novo horário também trouxe benefícios no lado comercial.

"Com esta mudança, consegui atrair a televisão. Temos mais de 100h de transmissão por ano. Eu não vendo só o evento, mas também os direitos de transmissão", disse.

Em declarações à Agência Efe, Coaracy garantiu que o complexo do Maracanã não deve ficar sem um parque aquático após a desativação do Julio Delamare.

"Isso é um assunto já superado. Fiz um acordo com o ministro do Esporte e o governador Sérgio Cabral, que vai construir um novo parque aquático por lá. Ele jurou por Deus, para mim, que não sai uma pedra do Júlio Delamare antes de o outro ficar pronto", afirmou.

EFE plc/rd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG