Caracas, 30 dez (EFE).- O presidente venezuelano, Hugo Chávez, insistiu hoje em que os Estados Unidos continuam utilizando suas bases aéreas nas ilhas caribenhas de Aruba e Curaçao como parte de um suposto plano para agredir a Venezuela, do qual também participaria a Colômbia.

"O império ianque continua utilizando as bases de Aruba e Curaçao, além das bases que estão instalando no território da Colômbia", declarou Chávez durante sua mensagem de fim de ano à nação, transmitido em cadeia obrigatória de rádio e televisão.

O presidente venezuelano insistiu nas últimas semanas em que os EUA, por meio de seus aliados na região, supostamente "aumentam as agressões contra a Venezuela".

No último dia 20, Chávez apresentou como "preparativos evidentes" dos supostos planos de agressão contra a Venezuela a decisão da Colômbia de "movimentar unidades" militares em seu lado da fronteira comum e a "mobilização de aviões em Aruba e Curaçao", território autônomo da Holanda, entre outras.

Nesta quarta-feira, Chávez desprezou afirmações do primeiro-ministro de Aruba, Mike Eman, que disse nesta semana que a Holanda esclareceu à Venezuela o propósito de seu acordo militar antidrogas com Washington, e considerou que a tensão diplomática bilateral gerada pela denúncia venezuelana tinha ficado para trás.

"Para nós não há nada superado, nós estamos vendo os aviões que saem e chegam de Curaçao e Aruba, os equipamentos de inteligência que chegaram", afirmou Chávez.

O governante acrescentou que seu Governo "sabe" que os EUA começaram a instalar na vizinha Colômbia equipamentos militares "que não são para a luta contra o tráfico de drogas, são para a guerra internacional". EFE gf/bba

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.