Paquistão rejeita envolvimento de agências de inteligência em ataques

Islamabad, 15 jul (EFE) - O porta-voz de Assuntos Exteriores do Paquistão, Muhammad Sadiq, qualificou hoje de infundadas as acusações do presidente afegão, Hamid Karzai, nas quais afirma que as agências de inteligência paquistanesas estão envolvidas em uma série de atentados recentes cometidos no Afeganistão.

EFE |

"Estas acusações infundadas têm o único objetivo de viciar a atmosfera bilateral e criar uma crise artificial nas relações afegãs-paquistanesas", disse Sadiq em comunicado.

O porta-voz acrescentou que o Governo afegão, com a decisão de suspender as próximas reuniões regionais e bilaterais por "motivos tão fracos", esquece da necessidade de cooperar economicamente.

Sadiq acrescentou que essa colaboração tem como objetivo a melhora das condições de vida dos cidadãos do Afeganistão, algo que, em sua opinião, tem implicações na segurança.

Segundo a nota, o funcionário destacou que os interesses bilaterais na luta comum contra o terrorismo "deveriam transcender conveniências políticas a curto prazo".

"O Paquistão espera que o Afeganistão faça uma reflexão e deixe de fazer declarações provocativas", acrescentou Sadiq.

O Governo afegão decidiu na segunda-feira não participar de uma série de reuniões regionais e bilaterais programadas para as próximas semanas devido à suposta implicação do ISI, principal agência de inteligência paquistanesa, no atentado contra a embaixada indiana em Cabul de 7 de julho e em outros ataques recentes.

Em uma resolução, o Executivo afegão assegurou que o Paquistão está por trás da tentativa de assassinato de Karzai em abril deste ano e da invasão à prisão de Kandahar da qual fugiram 900 prisioneiros em junho.

"O assassinato, destruição, desonra e insegurança no Afeganistão são realizados pelas instituições militares e de inteligência do Paquistão", disse na segunda-feira o presidente afegão, em comunicado.

Não é a primeira vez que o Governo afegão responsabiliza o Paquistão de não fazer o suficiente na luta contra o terrorismo, mas as últimas declarações elevaram a intensidade das acusações.

O Governo indiano afirmou em 12 de julho dispor de provas que indicam que o ISI esteve implicado no atentado contra sua embaixada, no qual 54 pessoas morreram, e pediu a destruição do órgão. EFE igb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG