Paquistão reitera que não entregará suspeitos à Índia

(Atualiza com declarações e com reação indiana) Islamabad/Nova Délhi, 9 dez (EFE).- O Paquistão reiterou hoje sua recusa em entregar os supostos terroristas reivindicados pela Índia por causa do atentado em Mumbai, após a captura e detenção na segunda-feira de cerca de 20 suspeitos em operações das forças de segurança.

EFE |

O ministro de Exteriores paquistanês, Shah Mehmood Qureshi, disse à imprensa na cidade de Multan que os detidos serão julgados, em seu caso, de acordo com as leis paquistanesas, segundo os canais privados de televisão.

As forças de segurança paquistanesas realizaram há dois dias uma operação contra os grupos Lashkar-e-Toiba (LeT) e Jamaat-ud-Dawa, aos quais a Índia acusa de estar por trás dos ataques em Mumbai, e detiveram cerca de 20 pessoas, entre elas o líder do LeT, Zakiur Rehman Lakhwi.

O Exército paquistanês confirmou ontem que a operação contra o Let foi dirigida pelos serviços de inteligência e que houve várias detenções em diversos pontos do país, e acrescentou que as averiguações continuarão durante os próximos dias.

Fontes do Ministério do Interior do Paquistão reconheceram hoje que outro criminoso cuja extradição a Índia solicita se encontra sob prisão domiciliar.

Trata-se do líder do grupo terrorista Jaish-e-Mohammed, Massoud Azhar, que se encontra na cidade de Bahawalpur, segundo a "Dawn".

O Governo da Índia pediu na semana passada ao Paquistão a entrega de Azhar e de cerca de 20 "fugitivos terroristas" que seriam responsáveis por atentados em solo indiano, entre eles o mais recente, em Mumbai.

"As detenções foram feitas para nossas próprias investigações.

Inclusive se ficarem provadas as acusações contra algum dos suspeitos, não o entregaremos à Índia", disse hoje Qureshi.

"Procederemos contra os detidos de acordo com as leis paquistanesas", reiterou.

O ministro insistiu em que a vontade de seu Governo é manter a "paz" com a Índia e a estabilidade na região, mas também está "preparado" para uma guerra.

"Não queremos impor uma guerra, mas estamos completamente preparados para o caso de nos ser imposta", disse Qureshi, segundo a "Geo TV".

O Executivo de Nova Délhi está "verificando" a operação lançada no domingo pelas forças de segurança paquistanesas, disse hoje uma fonte governamental - que pediu para não ser identificada - à agência indiana "Ians".

"Tem que haver uma ação real e significativa que mostre a vontade do Paquistão de passar da palavra aos fatos" em matéria antiterrorista, acrescentou a fonte.

"Já vimos este tipo de reações (paquistanesas) no passado", disse.

Nesse sentido, a fonte afirmou que a Índia espera que o Paquistão entregue os "fugitivos" reivindicados. EFE igb-amp-ja/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG