Paquistão reconhece oficialmente transexuais

País cria novo gênero para identificar transexuais em documentos

EFE |

A Corte Suprema do Paquistão, em uma decisão rara no mundo islâmico, ordenou criar um novo gênero nos documentos de identidade para oficializar a discriminada comunidade transexual, conhecida como o "terceiro sexo".

Desta forma, os 'hijra', como são chamados no Sul da Ásia, farão parte de uma categoria sexual nos documentos oficiais. "Há dois anos apresentamos um pedido perante a Corte Suprema por nossos direitos, porque no Paquistão não havia um conceito para nossa comunidade", explicou em entrevista à Agência Efe o presidente da Associação pelos Direitos dos Transexuais do Paquistão, Miss Bobby.

Durante a conversa, rasgou elogios para o chefe do Tribunal Supremo, Iftikhar Chaudhry, do qual guarda uma fotografia posada com ele em um lugar de destaque na sua sala.

"Ele toma decisões e dá passos muito corajosos para nossa comunidade pela primeira vez na história do Paquistão", justificou.

A corte presidida por Chaudhry permitirá agora o fato simbólico que, ao solicitar a carteira de identidade, toda pessoa terá a opção de possa marcar 'homem', 'mulher' ou 'transexual' ("shemale", se o formulário for em inglês, ou "khuaja sarai" em urdu).

Esta comunidade, conhecida também como "terceiro sexo", agrupa homens que adotam roupas e comportamentos femininos mas que não passam pela sala de cirurgia, outros que optam por uma intervenção cirúrgica após assumir sua feminilidade e pessoas que têm desordens genéticas e nascem com órgãos genitais mistos.

"Sabemos e aceitamos que somos uma minoria, mas temos nossos direitos", afirmou Miss Bobby, que reivindicou para sua comunidade a condição de "única".

Apesar do veredicto do Supremo surpreender em um país islâmico e conservador como o Paquistão, a figura do 'hijra' está enraizada não só neste país mas em todo o Sul da Ásia, onde sofre uma discriminação parecida.

A decisão judicial nem sequer alterou os ânimos dos grupos religiosos de corte islamita.

"Não há nenhuma objeção por nossa parte. É uma decisão correta do Supremo. As autoridades têm o dever de dar direitos a todos", afirmou à Efe o porta-voz do partido islamita Jamat-e-Islami, Shujaat Qamar.

Mas o estigma social dos 'hijra' segue sem desaparecer e muitos deles se veem obrigados a pedir esmolas nas ruas e sobrevive em um mundo marginal, próximo a da malandragem e exposto à prostituição e às doenças sexuais.

A presidente da associação de transexuais citou o sequestro, a violação, o roubo e o assédio da Polícia, entre alguns dos abusos que sofre a comunidade e cifrou entre 50 mil e 80 mil os membros desta comunidade no Paquistão, embora outras estimativas não oficiais elevam o número a centenas de milhares.

Miss Bobby admitiu que a situação está melhorando nos últimos anos com decisões como as do chefe do Supremo, que contribuem à aceitação social, e reivindicou que a comunidade não deve sentir-se "envergonhada".

"Não fizemos isso a nós mesmos, foi Deus que nos fez assim", apontou.

    Leia tudo sobre: PAQUISTÃOtransexuais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG