Paquistão reconduz juiz preso por Musharraf à chefia do Supremo

O governo do Paquistão disse que irá reconduzir ao cargo o ex-presidente da Suprema Corte do país, que tinha sido demitido e preso pelo ex-presidente Pervez Musharraf em 2007. O primeiro-ministro, Yousaf Raza Gilani, disse que Iftikhar Chaudhry retornará ao posto no final de março.

BBC Brasil |

Reuters
Paquistaneses comemoram decisão

Paquistaneses comemoram decisão favorável a Chaudhry

Com o anúncio, grupos da oposição e manifestantes que vinham realizando uma série de protestos pedindo a reabilitação de Chaudhry cancelaram uma marcha para a capital, Islamabad.

O enviado americano para o Paquistão, Richard Holbrooke, elogiou a decisão do governo paquistanês e disse esperar, segundo o jornal New York Times, que ela ajude a diluir a ameaça de "uma perigosa confrontação".

Chaudhry e outros 60 juízes foram retirados dos cargos por Musharraf em novembro de 2007. Desde então, muitos deles conseguiram retornar aos seus cargos, mas o governo parecia relutante em reinstalar o ex-presidente da Suprema Corte no cargo.

A campanha pelo retorno dos juízes afastados se transformou em um braço-de-ferro entre o principal líder da oposição no Paquistão, Nawaz Sharif, e o presidente Asif Ali Zardari, segundo a correspondente da BBC em Islamabad, Barbara Plett. A oposição planejava uma marcha até a capital para exigir a volta de Chaudhry.

O líder da oposição Nawaz Sharif, que tinha deixado sua casa em Lahore para se juntar aos manifestantes, cancelou a marcha ao saber do anúncio do governo e pediu que seus partidários celebrassem "com dignidade".

A casa de Sharif tinha sido cercada pela polícia, mas o governo negou que ele estivesse sendo mantido em prisão domiciliar. No domingo, a polícia disparou bombas de gás lacrimogêneo contra partidários de Sharif, que responderam com pedras.

A decisão do governo sobre Chaudhry veio após uma noite de reuniões entre o presidente Asif Ali Zardari, o primeiro-ministro, Yousuf Raza Gilani, e chefes militares.

Zardari, viúvo da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, prometeu reverter a decisão de Musharraf quando chegou ao poder no ano passado, depois do assassinato da esposa. Mas sua rivalidade com Sharif é antiga - data da década de 90.

Sharif e Zardari chegaram a formar uma parceria no governo após eleições parlamentares em fevereiro de 2008. Mas o PML-N deixou a aliança, queixando-se da relutância do partido de Zardari, Partido do Povo do Paquistão (PPP), de reinstaurar os juízes.

As relações entre os rivais ficaram ainda mais tensas nas últimas semanas, quando a Suprema Corte decidiu proibir que Sharif e seu irmão, Shahbaz, sejam eleitos para cargos públicos. Shahbaz Sharif é ministro em sua província, Punjab.

Leia mais sobre Paquistão

    Leia tudo sobre: paquistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG