Paquistão realiza eleições parciais com baixa participação e sem Sharif

Islamabad, 26 jun (EFE).- O Paquistão realizou hoje eleições parciais para escolher cerca de 30 deputados nacionais e regionais, com uma baixa presença de eleitores e sem a participação do ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif.

EFE |

"Graças às fortes medidas de segurança, o desenvolvimento das eleições foi muito tranqüilo, sem grandes incidentes", disse à Agência Efe o secretário da Comissão Eleitoral, Kanwar Dilshad.

"Embora tivéssemos declarado feriado nas circunscrições onde haveria votação, achamos que a participação será bastante inferior a 45%", disse Dilshad.

A votação teve que ser suspensa durante algumas horas em um colégio eleitoral da província de Punjab, depois que foram registrados confrontos entre grupos rivais, que deixaram cerca de doze feridos, segundo a rede privada "Geo TV".

Dilshad diminuiu a importância deste incidente e afirmou que, inclusive no conflituoso vale de Swat, onde 15 colégios eleitorais tinham sido declarados "muito sensíveis" e 54 "sensíveis", as pessoas puderam votar "sem excessivos problemas".

A realização das eleições parciais, que decidem a alocação de cinco cadeiras nacionais e 23 provinciais, está marcada pela proibição da candidatura de Sharif por parte do Tribunal Superior de Lahore, cujos juízes alegam que o ex-primeiro-ministro foi condenado por atos criminosos e de corrupção.

A Corte Suprema ordenou adiar o pleito na circunscrição à qual Sharif queria se apresentar, até se esclarecer se finalmente pode concorrer.

Também não participa do pleito o viúvo de Benazir Bhutto e líder do Partido Popular do Paquistão (PPP), Asif Ali Zardari, que por fim não apresentou sua candidatura, por isso não poderá obter ata de deputado e aspirar à Chefia de Governo, algo que a imprensa local tinha especulado durante meses.

Uma fonte da Comissão Eleitoral disse à Efe que "os resultados provisórios das eleições parciais começarão a ser anunciados em torno da meia-noite local (15h de Brasília)".

A mesma fonte disse que a apuração em algumas zonas rurais pode se prolongar ainda mais, por isso "a publicação dos resultados definitivos poderia demorar inclusive até a tarde da sexta-feira".

Os resultados destas eleições não afetam substancialmente o equilíbrio de forças em nenhuma câmara, mas permitem a importantes líderes políticos obter a ata de deputado se não conseguiram o mesmo antes, como era o caso de Sharif.

O PPP venceu as eleições de 18 de fevereiro, com 121 deputados, seguido pela Liga Muçulmana do Paquistão-Nawaz (PML-N) de Sharif, que obteve 91 cadeiras.

As duas forças formaram um Governo de coalizão foi rompido em maio. EFE igb/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG