Paquistão permitirá que líder de oposição concorra em eleição

A Suprema Corte do Paquistão suspendeu a proibição que impedia que o líder de oposição Nawaz Sharif concorresse em eleições no país. A Justiça também decidiu que o irmão de Nawaz, Shahbaz Sharif, poderá concorrer a cargos políticos.

BBC Brasil |

A decisão desta terça-feira da Suprema Corte - tomada por seus cinco membros - revogou a decisão tomada em fevereiro por três integrantes, que declarou que os irmãos Sharif eram inelegíveis, uma medida que desencadeou protestos em todo o Paquistão.

A medida significa que Nawaz Sharif poderá concorrer nas eleições de 2013 ou então em uma eleição suplementar para o Parlamento antes disso.

O ex-primeiro-ministro e líder do partido PML-N, o segundo maior no Parlamento do país, é um dos políticos mais populares do Paquistão, segundo pesquisas de opinião.

Ele foi retirado do cargo em 1999 em um golpe do então comandante do Exército Pervez Musharraf, que viria a se tornar presidente paquistanês. No ano seguinte ele foi obrigado a se exilar na Arábia Saudita.

Em novembro de 2007 Sharif obteve a permissão para voltar para o Paquistão. Ele então ajudou a retirar o general Musharraf do poder em 2008.

Comemoração
A decisão tomada pela Justiça paquistanesa em fevereiro foi contestada pelos irmãos Sharif. Eles alegavam que a decisão foi tomada por juízes indicados pelo ex-presidente Musharraf, colocados nos cargos depois que o próprio Musharraf retirou outros da Suprema Corte.

Nawaz Sharif iniciou uma campanha para que os juízes retirados do cargo fossem reinstaurados na Suprema Corte. Os juízes voltaram depois de uma onda de protestos em todo o país.

Partidários de Sharif comemoraram logo depois do julgamento da Suprema Corte, dançando e cantando em frente à sua sede em Islamabad.

"As decisões da Justiça precisam ser aceitáveis para o povo", afirmou Sharif em uma entrevista coletiva em Lahore.

"Acredito que esta é, definitivamente, uma boa notícia para todos e só ocorreu por causa da luta do povo, e por sua luta eles libertaram o judiciário paquistanês. Agora o judiciário independente tomou uma decisão independente", disse.

Aliança rompida
Em 2008 Sharif formou uma aliança frágil com o presidente Asif Ali Zardari, do PPP (Partido do Povo do Paquistão) que foi rompida em agosto do mesmo ano.

O partido de Sharif, o PML-N, é um dos dois maiores do Paquistão e ele já foi primeiro-ministro do Paquistão por dois mandatos.

Segundo o correspondente da BBC em Islamabad Shoaib Hasan, esta última decisão da Justiça significa que a maioria dos casos civis e criminais contra os irmãos Sharif foram revogados. Muitos destes casos tiveram início durante a presidência do presidente Musharraf.

Hasan afirma que Nawaz Sharif ainda está lutando para derrubar outra condenação, pelo "caso de sequestro" em 1999, no qual ele teria tentado evitar que o general Musharraf, que estava voltando ao Paquistão, desembarcasse, após dar ordens ao piloto de seu voo para que não pousasse.

Sharif tinha retirado do cargo o comandante do Exército, mas o general Musharraf ainda conseguiu pousar no Paquistão e liderar o golpe contra Sharif.

Os advogados de Sharif afirmam que esperam que esta condenação seja revogada em breve.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG